Follow by Email

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

A Direita Reacionária e as Eleições no Brasil


Ao abrir meu Hotmail essa semana, deparo-me com um e-mail, que no título dizia: Dilma. Pensei ser algo do meu partido, algo de campanha, ou seja...

Fui ler o e-mail.

Ao começar a ler, percebi que estava longe de ser uma mensagem de alguém que simpatizava com a candidata do Partido dos trabalhadores (PT).  A Primeira frase dizia, “Bomba não vote em Dilma.”

Todos os argumentos que vinham depois do titulo eram um amontoado de bobagens e acusações sem fundamento. Pareceram-me tentar provocar o medo das pessoas. Diziam que o PT é “contra Deus” e que tem ligações com as “forças do mal.”

Após algumas horas de risos. Comecei a pensar em qual motivo levaria uma pessoa a espalhar esse tipo de tolice. E conclui que, por mais que fosse uma pessoa que tivesse enviado. A idéia não era produto de uma pessoa, mas de uma classe.   

A burguesia, que é o verdadeiro mal da nossa sociedade e teme os trabalhadores no poder.

E mesmo que Dilma tenha em sua coligação uma grande parte da burguesia de nosso país. E afirma que não vai fazer uma política mais a esquerda. A burguesia não a aceita.

Pois Dilma faz parte, “do maior partido de massas do Brasil”, como afirmou, no debate pela Record, no ultimo domingo.

E aí mora o medo da classe dominante e a explicação da sua reação. Temem que Dilma seja pressionada pelo PT a fazer um governo dos trabalhadores.

Um governo que reduziria a jornada de trabalho sem redução de salário. Daria uma aposentadoria digna para todo o trabalhador. Estatizaria toda a fábrica privatizada. E destinaria todo o dinheiro pago aos banqueiros à saúde e educação para todos.

Mas importante que a burguesia compreender que podemos avançar nas reivindicações dos trabalhadores. É preciso que nós trabalhadores e jovens, compreendamos que é necessário ir adiante.

No domingo, vamos humilhar o Serra e a direita dando a vitória para o PT no primeiro turno. Depois, vamos para cima de nossa presidente, exigir uma ruptura com a direita e um governo dos trabalhadores.

01/10/10
João Diego 

terça-feira, 28 de setembro de 2010

To the End

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Saudades

Fernando Pessoa

"Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos.

Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim... do companheirismo vivido.

Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre. Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar quem sabe...

Podemos nos telefonar, conversar algumas bobagens... Aí os dias vão passar, meses... anos... até este contato tornar-se cada vez mais raro.

Vamos nos perder no tempo... Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão?
Quem são aquelas pessoas? Diremos... Que eram nossos amigos. E... isso vai doer tanto! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente... Quando o nosso grupo estiver incompleto.. . nos reuniremos para um ultimo adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos.

Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado.

E nos perderemos no tempo... Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades seja a causa de grandes tempestades. ..

Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!"

terça-feira, 21 de setembro de 2010

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

AS REGRAS ELEITORAIS E A MÍDIA

Serge Goulart 

“O PT não cresceu porque ganhou “espaço na mídia”, mas, ao contrário, ganhou espaço (impôs) porque cresceu e se tornou o partido das massas trabalhadoras da cidade e do campo em todo o país. O PT ganhou os sindicatos, fundou a CUT.”
 
No dia 21 de agosto, o PCO propôs ao PSTU, PCB e PSOL realizar um Debate via Internet entre os seus candidatos a presidente. O motivo é denunciar a “imprensa nacional – totalmente a serviço das candidaturas patronais - formula sobre as eleições 2010” e fazer campanha, naturalmente. Onde se lê “candidaturas patronais” leia-se, é óbvio para o PCO, candidaturas Dilma, Serra e Marina.

O PCB e o PSTU aceitaram. O PSOL não apareceu na reunião e o jornal Brasil de Fato vai mediar o debate, em 21 de setembro, via Internet.

Que a mídia é patronal não se discute. Mas, seria esta a razão, a falta de espaço na mídia, para que todos eles tenham apenas traço nas pesquisas?

Afinal, Zé Maria está de quatro em quatro anos falando em rede nacional para supostamente milhões de telespectadores. Pouco tempo, mas é algum tempo para dizer algo. O problema é somar o pouco tempo de TV e rádio com sua política em relação ao partido e ao governo que as massas reconhecem como seu. Isto é mortal.

Esta questão tem importância política e é bastante educativa.

O fato é que a legislação eleitoral está feita para despolitizar as eleições, esterilizando todo debate político. A legislação permite às emissoras de TV realizar debates convidando obrigatoriamente apenas os partidos que tenham parlamentares no Congresso Nacional.

Aliás, a revogação desta legislação reacionária é parte das tarefas de uma Constituinte Soberana para refazer o país segundo os interesses democráticos do povo trabalhador.

Este debate não vai, entretanto, substituir o enraizamento nas massas que estes partidos não têm. E eles devem saber disso. Trata-se de uma questão política da maior importância.

Todos consideram que o PT é um partido burguês ou “de direita” como dizem, e que o governo Lula é um governo burguês como qualquer outro. E eles são o partido revolucionário em construção e seu programa socialista correto atrairá as massas em determinado momento.

Esta política os isola das massas de milhões de operários. Impede de compreender o significado e sentido do amplo apoio das massas e dos trabalhadores ao PT e suas candidaturas. Isto os impede de adotar uma tática que ajude as massas a romper com as ilusões nas direções reformistas.

A insistência no “pouco espaço na mídia” tem este sentido. Afinal, se tivessem bastante tempo o povo todo conheceria suas idéias e seguramente aderiria ao partido revolucionário.

O PCB foi um partido de massas em 1946. E não porque tivesse mídia da burguesia, mas porque estava enraizado na classe trabalhadora. O PT não cresceu porque ganhou “espaço na mídia”, mas, ao contrário, ganhou espaço (impôs) porque cresceu e se tornou o partido das massas trabalhadoras da cidade e do campo em todo o país. O PT ganhou os sindicatos, fundou a CUT. Mas o PT se construiu desta maneira porque nos anos 70 e 80 não havia um partido operário de massas. Hoje ele existe e não se pode supera-lo por uma boa proclamação.

Hoje, o PT é o “seu” partido para milhões de operários e jovens, apesar da política reformista pró-capitalista da maioria da direção do partido.

Os trabalhadores defendem e buscam utilizar as organizações que construíram com sua luta. E isto mesmo muito tempo depois destas organizações já não serem mais o que eram. Os operários tentarão utilizar o PT para sua luta de classe contra a burguesia até que grandes acontecimentos lhes ensinem que isto não é mais possível. Só aí eles buscarão outro caminho.

Deste ponto de vista o PCdoB é mais atento. Mesmo tendo um peso político e estrutura muito maior que o PCB, PSTU, PCO e PSOL, o PCdoB não se atreve a lançar um candidato a presidente para aparecer aos olhos das massas como “adversário” de Lula e do PT.

A construção do partido revolucionário é uma tarefa paciente e que envolve ciência e arte. É preciso estar junto da classe para ganhá-la para o programa da revolução. Isto significa, hoje, estar no partido que elas consideram como seu e ajudá-la, em seu próprio movimento, a superar as próprias ilusões nos seus dirigentes reformistas, que se negam a romper com a burguesia e a lutar pelo socialismo. A condição para isso é combater abertamente pelo programa em todas as situações.

Hoje, a síntese do combate para que a classe trabalhadora supere suas ilusões está na exigência que a Esquerda Marxista lança ao governo Lula e à direção do PT: Rompam com a burguesia, constituam um Governo Socialista dos Trabalhadores!



terça-feira, 14 de setembro de 2010

Frases

Realmente isso é muito triste...


"Existe algo mais triste no mundo que um tren imóvel na chuva?" - Pablo Neruda. 

domingo, 12 de setembro de 2010

Adilson Mariano 13670 parte 01

Adilson Mariano 02

Suicídio

Segue abaixo um conto muito bom, que minha melhor amiga escreveu. 

Ele estava decidido. Poria fim na sua vida medíocre. Não sabia como ainda, estava na duvida, mas gostava da idéia de uma corda. Ele era um sonhador de nascença e passava horas a pensar como seria a sua morte.
Acreditava que não sabia fazer nada direito e a presença dele não faria a menor diferença.

Ele gostava da idéia da corda mesmo, ele acha a corda fácil de usar, ao mesmo tempo, acreditava que a morte seria lenta e dolorida, sentir-se-ia mais vivo nos últimos momentos.

Romântico nato cuidou de tudo, organizou sua morte nos mínimos detalhes. Programou-a como se tivesse preparando seu casamento.

Quando ele estava suspenso pelo ar, sentindo-se mais vivo que nunca, algo aconteceu. A corda foi se afrouxando. Até que ele despencou-se no chão como um boi depois do abate. Alguém tinha cortado sua corda.

Sentia-se perturbado, teve a certeza, nem cometer suicídio ele sabia fazer sozinho.

Não quero dinheiro Calçada Alves

sábado, 11 de setembro de 2010

Dado Villa-Lobos - Diamante (Ao Vivo)

Diamante

Composição: Nenung
Hoje em dia sei que um simples dia
É tão belo quanto um diamante
Som nas ruas, ouvidos despertos
Vento e música e árvores dançantes
Faz um tempo, eu aguardava tudo
Para um dia especial distante
Fui ficando mais calado e mudo
Até sacar que o futuro é uma meta flutuante
Dê sua mao, venha até mim
Com o seu corpo e seu coração
Que é brilhante, claro e belo
Hoje vejo claro, é claro que te quero
Hoje lembro e sinto saudades de nada
Vi o que vi, fiz o que fiz,
Paguei o preço por ter tido a lição
O tempo é um professor sem pressa, mas é exigente
E chega a hora de tornar o agir
Ficar mais claro, forte e inteligente

Dado Villa-Lobos & Lia Galdino - Luz e Mistério (Ao Vivo)

Luz e Mistério

Composição: Beto Guedes / Caetano Veloso
Oh! Meu grande bem
Pudesse eu ver a estrada.Pudesse eu ter
A rota certa que levasse até dentro de ti
Oh! Meu grande bem
Só vejo pistas falsas. É sempre assim.
Cada picada aberta me tem mais fechado em mim.
És o luar. Ao mesmo tempo luz e mistério.
Como encontrar a chave desse teu riso sério
Doçura de luz. Amargo e sombra escura
Procura em vão.
Banhar me em ti e poder decifrar teu coração
És o luar. Ao mesmo tempo luz e mistério.
Como encontrar a chave desse teu riso sério
Grande mistério meu bem, doce luz.
Abrir as portas desse império teu

sábado, 4 de setembro de 2010