Follow by Email

sexta-feira, 27 de março de 2009

Os Heróis e a Luta de Classes























“As idéias da classe dominante são, em todas as épocas, as idéias dominantes.”- Marx e Engels, A ideologia alemã. A ideologia

Vivemos hoje um período de crise, no qual, o capitalismo se encontra dia após dia em beco cada vez mais sem saída. O desemprego, a falência de fábricas e bancos e a miséria crescente da classe trabalhadora, fazem a massa de trabalhadores questionarem cada vez mais esse sistema, suas leis, seu estado e sua lógica.

As ocupações de fábricas na Indonésia, Ucrânia, Irlanda, Escócia e até mesmo nos estados unidos, em Chicago e as greves na Inglaterra, França, Grécia e Itália demonstram a insatisfação da classe trabalhadora e sua disposição a luta. Diante disso, a burguesia (a classe dominante, as elites de nossa época, os grandes empresários e latifundiários) usa de todos os artifícios para enganar os trabalhadores.

Tenta de toda a maneira impedir os trabalhadores de tomar consciência, de que o atual sistema favorece apenas a burguesia que explora os trabalhadores, que seu estado e suas leis servem como instrumento de dominação e opressão e que sua lógica é lucrar! Lucrar! E que farão de tudo para conseguir isso, desde por fim aos direitos dos trabalhadores até destruir um país inteiro!

 A mídia tem um papel fundamental nisso, fazendo os trabalhadores acreditar que a crise é de responsabilidade de todos e que todos devem se mobilizar para impedir o pior, isentando assim à responsabilidade da burguesia e enganando os proletários (a classe dos trabalhadores, que não possuindo nada além de sua força de trabalho, são obrigados a trabalhar para a burguesia). Como Marx e Engels, haviam afirmado: “As idéias da classe dominante são, em todas as épocas, as idéias dominantes.”- em nossa época as idéias dominantes expressão as idéias da burguesia.

Ela através do cinema, do teatro, dos jornais, da TV e até as histórias em quadrinhos, ou os próprios desenhos animados impõe sua ideologia, mostrando que não existe luta entre proletários e a burguesia. Ela faz de suas leis e seu estado um ideal que está acima de qualquer princípio. A defesa da propriedade privada dos meios de produção (empresas e terras) é um mandamento que jamais pode ser violado. Se prestarmos bem atenção, quando assistimos o jornal e a mídia vai tratar de uma manifestação de estudantes pelo passe-livre, por exemplo, como uma baderna, ela nem ao menos da o contexto do por que os estudantes fazem o ato.

Ela não explica que o passe-livre irá conceder o direito a milhares de estudantes de chegar à escola, que a educação é um direito, que deveria ser de acesso de todos, mas devido ao nosso sistema capitalista, que priorizar dinheiro para os banqueiros ao invés da educação, esse direito não é exercido.

Tudo que a mídia faz, é mostrar que os estudantes são baderneiros que destroem o bem público, ou seja, fazem de tudo para descaracterizar a manifestação, pois ela vai contra os interesses de quem financia o jornal. Desculpe-me pela longa explicação, mas acho isso extremamente necessário para a discussão a seguir. Foi necessário introduzir algumas idéias do pensamento marxista, para que assim possamos ter maior entendimento sobre o que irei analisar.

 Milagre, a natureza Humana e os fins justificam os meios.

 Em Watchmen temos super- heróis em crise e um mundo em plena a guerra fria. O bloco da burocracia soviética contra o bloco capitalista. A guerra do Vietnã vencida e o presidente Nixon eleito por mais duas vezes. A realidade paralela de Alan Moore tem intrínseco em sua história à ideologia dominante. Não só em Alan Moore isso acontece, mas em grande parte dos quadrinhos. Se observarmos o Capitão América, será seu nome e sua roupa uma mera coincidência? O Super homem, que defende os ideais de justiça e liberdade, será coincidência que esses ideais sejam os mesmo que a burguesia clama a todo o momento?

E o X MEN, que no último filme mostra o fera, personagem que faz a mediação entre o governo e mutantes terminar como secretário da ONU, será isso uma mera coincidência? Afinal, a secretaria de um órgão tão importante fique nas mãos, do que no filme, é um representante de uma minoria, não será isso semelhante ao que fazem com os negros? Não o é semelhantes às cotas? Você colocar um negro para tentar fazer com que estes integrem ao sistema, os tendo sobre controle e impedindo que se coloquem contra o sistema, onde está a origem de sua exclusão?

 E o Batman, que combate o crime o para sensibilizar os ricos de Ghotam para que eles se mobilizem contra as desigualdades. Será que as causas dessas desigualdades não estariam ligadas ao sistema capitalista que explora e oprime os trabalhadores, o que os leva a roubar, matar e assassinar e será que um meio de acabar com isso não seria por fim a esse sistema...

Mas aí tem problema! O Batman e os heróis defendem o sistema capitalista, seu estado e suas leis e não vão à raiz dos problemas da sociedade. Quando, em Watchmen, vi um dos heróis falar que não se pode lutar contra a natureza humana...

Pensei que natureza é essa? Afinal o homem nasce corrompido? Ele nasce com tendência ao crime? Outra questão, que me chamou a atenção foi que diante do fim do mundo, em uma terceira guerra, Dr. Manhattan convencido do milagre da vida retorna a terra para ajudar; e a terceira coisa, que me chamou atenção foi à idéia de que os fins justificam os meios, será isso certo? Será isso justo, dentro da moral da burguesia? Bom, primeiro Watchmen quebra qualquer padrão de super herói. Ele mostra de outra forma o que seriam os super- heróis em nossa realidade, que em minha opinião seriam um super meio de opressão, afinal todos defendem a ordem.

 Quanto ao homem ser corrompido em sua essência. È isso que a burguesia quer nos convencer, afinal o estado é um instrumento usado para dominar e oprimir, ele é composto de uma burocracia e de um corpo de homens armados. Sendo a sociedade capitalista, uma sociedade de classes, o estado sempre fica do lado da classe que detêm maior poder econômico.

É só notarmos a quantidade de políticos da burguesia e empresários presos, ou como se mobiliza a polícia para repressão de uma manifestação e como não fazem o mesmo para prender os ricos e poderosos; Ou as leis, por mais que a classe trabalhadora consiga ter um representante no parlamento ou no estado, a constituição do estado é burguesa, ou seja, segue a defesa da propriedade privada dos meios de produção e a burguesia apesar de ceder algumas vezes, em grande parte ela aprova leis que beneficiam mais a burguesia e não os trabalhadores.

 O milagre, sim a burguesia atéia ou agnóstica que fez a revolução francesa hoje se rende ao dogma e ao misticismo. Diante do precipício que se encontra ela não pensa apenas reza esperando um milagre. O que demonstra no filme é que devemos sempre esperar por milagres e que eles existem. Que quando mais nada adiantar deus irá nos ajudar. Nada mais absurdo, pois isso é a capitulação total da razão. A burguesia nos levando ao caos de uma crise, busca no céu a saída! Afinal é pecado pensarmos em uma socialização dos meios de produção, ou em um estado operário. Essas saídas são utópicas. Utópico é deixar o destino da humanidade nas mãos de amigos imaginários!

 Os fins justificam os meios, sim para a burguesia isso é bem fácil de compreender: “Todos os meios, não importa o quanto imoral seja, justifica os fins dos lucros!” Se tiver que desempregar milhões, destruir todos os direitos, matar milhões e destruir um país inteiro, a burguesia o fará. No fim do filme, se usa de um desses meios para manter a ordem, se impede uma guerra, mas se mantêm a ordem do capitalismo. Nossos fins justificam nossos meios Os Fins de uma sociedade socialista, na qual a lógica não seja o lucro mais o bem estar e o desenvolvimento humano justificam os meios de uma revolução.

A classe burguesa usa da mídia, do exército e tudo que poder para manter a sociedade da exploração do homem pelo homem. Os marxistas são favoráveis a uma revolução sem violência, mas sabemos que a burguesia, como já tem demonstrado, não vai se render sem lutar. (trataremos sobre esse tema em outro texto). Não estou acusando os autores de quadrinhos de agentes da burguesia, Alan Moore, por exemplo, era um niilista como demonstra em V de vingança.

O que estou dizendo é que os autores de quadrinhos estão tão influenciados pela ideologia burguesa como qualquer trabalhador ou político. O filme não da qualquer perspectiva de mudança tudo que ele mostra é o caos. Talvez esse seja o sentimento da burguesia atualmente. A crise fará que vários heróis voltem às telas, assim como surgiram na década de 40 e 50, eles voltaram às telas para afirmar o capitalismo. Como militante marxista, fica aqui minha análise do filme.

João Diego Leite

Um comentário:

  1. Os fins justificam os meios, sim para a burguesia isso é bem fácil de compreender: “Todos os meios, não importa o quanto imoral seja, justifica os fins dos lucros!” Diego Leite

    A moral e a imoral são princípios fundamentados pela sociedade, então é meio contraditório querer determinar quais fins são melhores justificados pelos seus meios.
    Se analisarmos pela lógica, ambos são justificados dentro da moral sabida por cada etnia, nação, povo ou classe. (tempo-espaço)
    Alessandra dos Passos

    ResponderExcluir