Follow by Email

sábado, 26 de dezembro de 2009

Colapso de la Cumbre del Clima ¿Y ahora qué?

El colapso dramático de las conversaciones en la Cumbre del Clima en Copenhague sirve para destacar una cosa: los gobiernos capitalistas del mundo no pueden resolver asuntos candentes, como el daño al medio ambiente provocado por la anarquía del mercado. La sed de lucro está en contradicción directa con los intereses de los trabajadores del mundo. La revolución social a escala mundial es la única respuesta verdadera al problema.

La Cumbre del Clima de la ONU en Copenhague ha finalizado en un completo desastre. La Presidencia danesa de la Conferencia simplemente renunció y tiró la toalla. Esto, sin embargo, no debe ser una sorpresa. Ningún otro resultado era posible desde el comienzo. El capitalismo por su naturaleza es incapaz de hacer frente a un problema mundial como éste, especialmente si tenemos en cuenta los enormes intereses en conflicto entre los capitalistas a escala mundial y la carga colosal de la actual crisis económica. Los delegados de la Cumbre describían la situación el pasado día viernes como "confusa" y "desesperada".

Los países pobres exigieron que los países capitalistas avanzados donaran el 5 por ciento del PIB a las medidas de protección del clima. El problema es que los países capitalistas avanzados han gastado enormes recursos en salvar del colapso a sus sistemas bancarios y, en consecuencia, están ahora fuertemente agobiados por la deuda. Como resultado, en todos los países, se esfuerzan por aplicar un duro recorte al gasto público. La crisis mundial del capitalismo no permite ni siquiera mantener los niveles de gasto de ayer: ¿cómo pueden reservar recursos para medidas respetuosas con el clima?

Seamos claros sobre esta cuestión. Existen los recursos, la riqueza, los recursos humanos, la ciencia y la tecnología para combatir los efectos contaminantes del capitalismo en este planeta que vivimos. El problema es que estos recursos se utilizan en beneficio de los ricos, que no están dispuestos a ver reducciones en sus ganancias. La verdad es, como Hugo Chávez dijo en su discurso, que "el capitalismo es un modelo de desarrollo destructivo que es poner fin a la vida, y que amenaza con poner un fin definitivo a la especie humana".

Crisis del capitalismo

Todos los países capitalistas avanzados son un desastre. Puede que hayan evitado un colapso del estilo de 1929... por ahora. Pero el precio para esto ha sido enormes déficits en todos los países. Veamos, por ejemplo, Alemania. El Ministro de Hacienda alemán, Wolfgang Schäuble, de acuerdo con el diario británico Financial Times, el miércoles remarcó que someter el desborde del déficit presupuestario "no se logrará con los instrumentos convencionales". En otras palabras: con el fin de sacar al capitalismo alemán de esta crisis, tendrán que librar una guerra de clases viciosa contra la clase trabajadora. Los capitalistas de Alemania y de otros países intentarán recortar brutalmente las jubilaciones públicas, la atención gratuita de la salud, la educación gratuita, así como todos los demás elementos que hacen una sociedad semi-civilizada. ¿Cómo se puede esperar que se preocupen por el cambio climático y las catástrofes en los países pobres? La verdad es que estos problemas no se resolverán nunca bajo el capitalismo.

El Presidente Evo Morales de Bolivia colocó firmemente la culpa de los problemas del clima en el capitalismo: "La verdadera causa del cambio climático es el sistema capitalista. Si queremos salvar la tierra, entonces tenemos que acabar ese modelo económico. El capitalismo quiere afrontar el cambio climático con mercados de carbón. Denunciamos los mercados y a los países que [los promueven]. Es hora de dejar de hacer dinero con la desgracia que han causado". Hugo Chávez en su discurso condenó el sistema capitalista y dijo que la única alternativa era el socialismo. Añadió que "si el clima fuera un banco, ya lo habrían salvado".

Es la enorme acumulación de contradicciones que fluye de esta situación la que desembocó en la presentación de la renuncia de la Presidencia danesa de la Conferencia para, a continuación, declarar que allí no habría un acuerdo real en la Cumbre. Los líderes de los países capitalistas avanzados erraron su cálculo sobre la situación. Pensaban que podían hacer el trato habitual sin plantear ningún cambio de fondo, mientras lo presentaban como un gran paso adelante. Pero no lograron hacerlo. Como el diario norteamericano Wall Street Journal informó el viernes:

"Se espera cualquier acuerdo, en el mejor de los casos proponer objetivos de reducción de emisiones para las naciones ricas y miles de millones en ayuda para los países más pobres, pero quedará muy por debajo de la meta de un pacto legalmente vinculante. El acuerdo político todavía sería visto por muchos como un revés, los siguientes dos años serán de intensas negociaciones para acordar más reducciones más profundas en las emisiones de dióxido de carbono y de otros gases responsables en gran medida del calentamiento global."

Represión

La Cumbre de Copenhague también llevó a los títulos de tapa de los diarios de todo el mundo la represión policial en las calles. El 12 de diciembre, una avalancha humana se movió por Copenhague. La impresionante manifestación de 100.000 personas fue una protesta contra el hecho de que el capitalismo está destruyendo el planeta. La represión policial contra los manifestantes de esta marcha - así como de otras manifestaciones - se ha informado en todo el mundo. Aquellos que pensaban en los países escandinavos como sociedades agradables, pacíficas y armoniosas ya no van a volver a pensarlo después de que vieran las escenas de cientos de jóvenes rodeados y atados como animales.

Desde el 11 de diciembre al 13 de diciembre, la policía hizo 133 "arrestos preventivos", pero luego sólo fueron acusadas cuatro personas por nada, demostrándose que fueron detenciones arbitrarias de manifestantes inocentes. Se trata claramente de métodos de un Estado policial con el propósito de infundir miedo en la juventud y la clase trabajadora para que agachen sus cabezas y acepten los ataques a sus niveles de vida y otras políticas capitalistas. La policía distribuyó, incluso, fotos de estudiantes de 14 a 15 años de edad en Copenhague, advirtiéndoles que no participaran en manifestaciones.

En su discurso en la Cumbre, Chávez condenó la represión, aplaudió a los manifestantes y destacó una de sus consignas, a saber, "no cambien el clima: cambien el sistema". Subrayó que la única alternativa al capitalismo es la transformación socialista de la sociedad: "nuestra revolución busca justicia para todas las personas. Esta ruta es el socialismo. El capitalismo es el camino al infierno. La Historia nos llama a luchar."

El conflicto de EEUU-China

Los Estados Unidos han exigido que China acuerde reducir sus emisiones y acepte "un acuerdo más amplio que incluya la 'transparencia' de las medidas de China para limitar los gases de efecto invernadero" como el Wall Street Journal informó ¿Qué significa esto? De hecho es simplemente un paso, disfrazado en un velo muy tenue, hacia una política proteccionista por parte del imperialismo de EEUU. Esto significa que los Estados Unidos insisten en que China debe detener la inundación del mercado mundial con mercaderías baratas que dejan a los capitalistas estadounidenses fuera del negocio. Además, quieren también que China abra sus puertas ¡al espionaje! Por supuesto, los dirigentes chinos no están ansiosos por firmar un acuerdo de este tipo, por el contrario, han mantenido que su "objetivo de emisiones es voluntario" y "no negociable".

El choque diplomático entre China y los Estados Unidos, por supuesto, no tiene nada que ver con las emisiones de CO2 y el cambio climático, sino con todo lo que tenga que ver con las ganancias y la protección de los mercados. Esta es la razón, también, de que no se haya llegado a un acuerdo real. Pueden emitir una declaración política con un montón de buenas palabras, pero con muy pocas promesas concretas - y estas promesas se rompen de todos modos. Así es cómo funciona la diplomacia capitalista.

La actual crisis económica, de hecho, ha agravado aún más la amenaza del proteccionismo. Los gobiernos en todas partes intentan exportar el desempleo por medio de aranceles sobre bienes importados y subvencionar a sus propios capitalistas en casa. Las diferentes potencias capitalistas están tratando desesperadamente de conquistar los mercados de sus competidores, al tiempo que protegen los suyos. Esto se refleja no sólo en los antagonismos entre países como China y los Estados Unidos, sino también entre otras potencias capitalistas, como la Unión Europea y los Estados Unidos por ejemplo.

La necesidad de un plan

Mientras que los Estados Unidos y la Unión Europea asignan 4.100 millones de dólares para salvar a sus banqueros, ofrecen un puñado de porotos para programas contra el cambio climático. Mientras que los Estados Unidos gastan 3,6 millones de dólares al mes en matar a personas pobres en Afganistán, el 12 por ciento de la población estadounidense depende de bonos de comida para sobrevivir. El total de los ingresos de las 500 personas más ricas del mundo es superior a los de 450 millones de las personas más de pobres, que viven con dos dólares al día. El capitalismo en el siglo 21 significa horror sin fin para la gran mayoría de la población del planeta. La continuación de la existencia del capitalismo es una amenaza mortal para millones de personas en todo el mundo.

En un acto público con más de 3000 personas en Copenhague, organizada por diversos sindicatos, organizaciones políticas y campañas de solidaridad, incluyendo Manos Fuera de Venezuela, el Presidente Hugo Chávez correctamente señaló que una revolución socialista es la única solución a los problemas de la humanidad. Subrayó la necesidad de una revolución en el mundo y repitió su propuesta de formar una Quinta Internacional como un instrumento para este fin. Lo esencial es que estas palabras se traduzcan en hechos. Si Chávez llevara a la práctica estas palabras en Venezuela y comenzara el proceso de transformación socialista en Venezuela por expropiar la propiedad de la oligarquía local y de los imperialistas, marcaría el comienzo de la revolución en toda América Latina, lo que a su vez daría un gran impulso a la lucha de clases en todo el mundo.

El hecho es que una solución a los problemas climáticos, la pobreza, las enfermedades, el analfabetismo, el desempleo, las guerras y el hambre, nunca se lograrán sobre una base capitalista, y mucho menos por la hipocresía de la diplomacia burguesa. La continuación de la existencia del capitalismo agravará simplemente estos problemas en el próximo período. El capitalismo no puede reformarse desde adentro, debe ser derrocado por la acción consciente de la clase trabajadora. Es sólo la clase trabajadora - la clase que representa el futuro - la que puede producir un cambio real y una transformación socialista en la sociedad, con la lucha por el marxismo revolucionario dentro del movimiento obrero en todos los países.

El fracaso de la Cumbre de Copenhague es una indicación de la severidad de la crisis de que estamos viviendo. Pero también servirá para un propósito: abrir los ojos de muchos trabajadores y jóvenes que pueden haber tenido ilusiones en que tales cumbres podrían empezar a acometer y resolver los graves problemas a los que nos enfrentamos. El fracaso de la Cumbre fortalece a aquéllos que, como los marxistas, argumentan que si queremos realmente salvar el planeta debemos suprimir el sistema económico que está en la raíz de todos los problemas, el capitalismo mismo.

Fonte http://argentina.elmilitante.org/content/view/4595/85/

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Street Fighter

Musica do anime Street Fighter

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

PA do Aventureiro

Vitória da população com a inauguração do Pronto Atendimento (PA) Leste, no bairro Aventureiro. A obra entregue na quarta-feira (16) era solicitada desde 1998. A pedra fundamental foi lançada em 2006 e a conclusão estava prevista para março de 2007.

A bandeira para um PA no Aventureiro foi levantada em 1998 por associações de moradores da região. Desde lá, a comunidade realizou diversas reuniões, plenárias e manifestações para pressionar o poder público que venceu inúmeros prazos. “Fizemos um abaixo assinado e coletamos 5 mil assinaturas”, conta Edson da Silva, morador do bairro.

Para o vereador Adilson Mariano (PT), a conquista foi um avanço e deve servir como exemplo de organização popular. “Mas é necessário continuarmos lutando pela abertura da rua que ligará a Mafalda Laurindo com a José Severino, o que facilitará o acesso, principalmente ao PA”. O parlamentar alerta para a necessidade de cobrar do poder público que a unidade de saúde efetivamente funcione. A comunidade busca ainda a construção de uma escola de ensino médio para a região, o asfalto de diversas ruas, entre outras reivindicações.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Darker Than Black

Essa é uma música do anime Darker Than Black. Achei a música bem legal.

Poster comemora 20 anos dos Simpson

A imagem é uma atualização da imagem lanaçada em 2007, junto com o filme.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Rôbos gigantes que atiram

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Você conhece o Mário?

Fonte: http://jogos.uol.com.br/videos/player.jhtm?mediaId=historia-do-super-mario-04023862DC898366

Associação é pra lutar!

Vitória da chapa “é pra lutar” na associação do Adhemar Garcia

Com 86,7% dos votos, a chapa Associação é pra lutar, venceu a eleição da Associação dos Moradores do Bairro Adhemar Garcia (Ambag).

Compareceram às urnas 362 pessoas. Foram 314 votos para a chapa 1 e 46 votos para a chapa 2. Houve apenas um voto em branco e um nulo. A eleição ocorreu no domingo (13), entre às 9 e 16 horas.

A chapa vencedora está na direção da entidade há três mandatos e é formada por moradores militantes da tendência interna do Partido dos Trabalhadores Esquerda Marxista, filiados do PT e independentes. O presidente Moacir Nazário é assessor do vereador Adilson Mariano (PT). A chapa derrotada teve o apoio do ex-prefeito Marco Tebaldi (PSDB) e era integrada por membros do PSDB, DEM e PPS.

Atuação

A gestão reeleita apoiou a luta contra o aumento da tarifa de ônibus em Joinville. Defende o passe livre para os estudantes e a criação de uma empresa pública de transporte.

A associação impulsionou ainda o fechamento de ruas para a conquista da recuperação de asfaltos. Para defender as reivindicações da comunidade, organizou os moradores para ocuparem a prefeitura e participarem de manifestações. De acordo com o presidente eleito, Moacir Nazário esse é o papel da entidade: “brigar pelas reivindicações de nosso bairro”.

A AMBAG tem 362 famílias associadas. A contribuição financeira delas é a forma de manter o comprometimento com a comunidade. “Sem apadrinhamentos políticos nossa associação está livre, pois não tem rabo preso com ninguém”, afirma Nazário.

Segundo Nazário, a primeira atividade da associação após a eleição será o planejamento para o próximo mandato.

João Diego

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Todo apoio a Cesare Battisti

CARTA ABERTA AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASILSUPREMO MAGISTRADO DA NAÇÃO BRASILEIRA AO POVO BRASILEIRO
“Trinta anos mudam muitas coisas na vida dos homens, e às vezes fazem uma vida toda”.(O homem revoltado - Albert Camus)
Se olharmos um pouco nosso passado a partir de um ponto de vista histórico, quantos entre nós podem sinceramente dizer que nunca desejaram afirmar a própria humanidade, de desenvolvê-la em todos os seus aspectos em uma ampla liberdade.
Poucos. Pouquíssimos são os homens e mulheres de minha geração que não sonharam com um mundo diferente, mais justo.Entretanto, freqüentemente, por pura curiosidade ou circunstâncias, somente alguns decidiram lançar-se na luta, sacrificando a própria vida.A minha história pessoal é notoriamente bastante conhecida para voltar de novo sobre as relações da escolha que me levou à luta armada. Apenas sei que éramos milhares, e que alguns morreram, outros estão presos, e muito exilados.Sabíamos que podia acabar assim.
Quantos foram os exemplos de revolução que faliram e que a história já nos havia revelado? Ainda assim, recomeçamos, erramos e até perdemos. Não tudo! Os sonhos continuam!Muitas conquistas sociais que hoje os italianos estão usufruindo foram alcançadas graças ao sangue derramado por esses companheiros da utopia. Eu sou fruto desses anos 70, assim como muitos outros aqui no Brasil, inclusive muitos companheiros que hoje são responsáveis pelos destinos do povo brasileiro. Eu na verdade não perdi nada, porque não lutei por algo que podia levar comigo. Mas agora, detido aqui no Brasil não posso aceitar a humilhação de ser tratado de criminoso comum.
Por isso, frente à surpreendente obstinação de alguns ministros do STF que não querem ver o que era realmente a Itália dos anos 70, que me negam a intenção de meus atos; que fecharam os olhos frente à total falta de provas técnicas de minha culpabilidade referente aos quatro homicídios a mim atribuídos; não reconhecem a revelia do meu julgamento; a prescrição e quem sabe qual outro impedimento à extradição. Além de tudo, é surpreendente e absurdo, que a Itália tenha me condenado por ativismo político e no Brasil alguns poucos teimam em me extraditar com base em envolvimento em crime comum. É um absurdo, principalmente por ter recebido do Governo Brasileiro a condição de refugiado, decisão à qual serei eternamente grato.
E frente ao fato das enormes dificuldades de ganhar essa batalha contra o poderoso governo italiano, o qual usou de todos os argumentos, ferramentas e armas, não me resta outra alternativa a não ser desde agora entrar em “GREVE DE FOME TOTAL”, com o objetivo de que me sejam concedidos os direitos estabelecidos no estatuto do refugiado e preso político. Espero com isso impedir, num último ato de desespero, esta extradição, que para mim equivale a uma pena de morte.Sempre lutei pela vida, mas se é para morrer, eu estou pronto, mas, nunca pela mão dos meus carrascos. Aqui neste país, no Brasil, continuarei minha luta até o fim, e, embora cansado, jamais vou desistir de lutar pela verdade.
A verdade que alguns insistem em não querer ver, e este é o pior dos cegos, aquele que não quer ver. Findo esta carta, agradecendo aos companheiros que desde o início da minha luta jamais me abandonaram e da mesma forma agradeço àqueles que chegaram de última hora, mas, que têm a mesma importância daqueles que estão ao meu lado desde o princípio de tudo. A vocês os meus sinceros agradecimentos. E como última sugestão eu recomendo que vocês continuem lutando pelos seus ideais, pelas suas convicções. Vale a pena!Espero que o legado daqueles que tombaram no front da batalha não fique em vão. Podemos até perder uma batalha, mas tenho convicção de que a vitória nesta guerra está reservada aos que lutam pela generosa causa da justiça e da liberdade.
Cesare Battisti 14 de Novembro de 2009.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

O chão fábrica tem que falar mais alto!

Na Carta aos Trabalhadores Brasileiros, adotada por unanimidade na Conferência Nacional em Defesa do Emprego, dos Direitos, da Terra e do Parque Fabril Brasileiro, realizada nos dias 3, 4 e 5 de outubro de 2003 em Joinville, patrocinada pelos trabalhadores das empresas ocupadas Cipla, Interfibra e Flaskô, nós já afirmávamos que “Cada fábrica fechada é um túmulo de postos de trabalho onde são sepultadas as esperanças de uma vida digna. Um monumento à especulação e à voracidade capitalista. E junto com este desastre vem a revogação de leis e conquistas trabalhistas e previdenciárias que custaram muitas e longas lutas, muito esforço e mortes, ao povo trabalhador da cidade e do campo. Por isso, os trabalhadores têm o direito de ocupar as fábricas para manter a civilização funcionando com a dignidade que querem lhe retirar.” É relevante destacar o episódio neste momento em que Joinville reflete sobre a situação da Busscar, uma das principais empresas de carrocerias de ônibus da América Latina, que desde o mês de julho volta a passar por uma situação de muitas dificuldades, pois desde então mantém em licença remunerada cerca de 70% de seu quadro de pessoal, hoje ao redor de 6 mil funcionários. Ninguém quer ou espera que aconteça, mas é preciso alertar que a falta de uma folha de pagamento mensal de 6 milhões de reais será um corte profundo nas condições de vida dos trabalhadores diretamente envolvidos e de seus familiares, assim como para a economia de Joinville. A seriedade da situação tratada vai além do quadro de pessoal da Busscar, lamentavelmente. Todos os cálculos do setor metal-mecânico dão conta de que para cada posto de trabalho direto fechado em uma fábrica do ramo, 4 empregos indiretos são cortados em cadeia. Desta forma, com certeza o desemprego indireto que provocaria o fechamento de uma indústria do porte da Busscar, que atingiria um número ao redor de 24 mil pessoas, teria conseqüência direta nas pequenas e médias empresas, uma vez que estas respondem por praticamente 70% do emprego formal no Brasil. Os fatos estão muito claros. A situação em seu conjunto é muito clara. Para nós, o início da solução do problema poderia ser inaugurado com a eleição livre, direta e secreta de uma Comissão de Fábrica entre todos os funcionários da Busscar, coordenada pelo Sindicato dos Trabalhadores, dotada de estabilidade no emprego, que abra a contabilidade da empresa e passe a controlar a sua recuperação. A direção da empresa patrocinou uma crise em 2004. Levantou-se com dinheiro do BNDES e mais uma vez se abate. É hora dos trabalhadores tomarem seus destinos em suas próprias mãos, *Adilson Mariano – vereador licenciado do PT de Joinville – candidato a presidente do PT/SC *Moacir Nazário – vereador do PT de Joinville - candidato a presidente do PT/Jlle

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Mebros da Chapa para o DACS

Bom, essa é nossa chapa. Leiam nossas propostas no blog (http://dacs-e-pra-lutar.blogspot.com/2009/11/propostas.html) . O mais importante é votar consciente. Quem estiver de acordo, peço para ajudar a divulgar nosso blog. Cloquem ele no orkut, twitter, mande e-mails para os amigos. Presidente – Eduardo Schmitz(Jor) Vice – Regiane dos Santos(PP) Tesoureira – Francine Hellmann(Jor) Secretária – Lorena Trindade(Jor) Diretor de Comunicação – Tiago Santos(Jor) Diretor de Formação – João Diego Leite(Jor) Diretor de Cultura e Esporte – Mariana Zschoerper(Jor/ PP)

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Dacs é pra lutar!

"É preciso sonhar, mas com a condição de crer em nosso sonho, de observar com atenção a vida real, de confrontar a observação com nosso sonho, de realizar escrupulosamente nossas fantasias. Sonhos. Acredite neles." (Lênin) As entidades estudantis nasceram na luta dos estudantes pela escola pública para todos, na campanha do petróleo é nosso, na luta contra a ditadura e por uma sociedade mais justa. Nasceram para expressar a indignação e rebeldia dos estudantes, em forma de organização. As elites se utilizam da mídia para tornar desacreditadas essas entidades. Elas tentam nos mostrar que não há alternativa, que não adianta lutar. Seus discursos são que as lutas por nossos direitos e um mundo melhor são impossíveis.A chapa Dacs é pra lutar não acredita nisso. Nossa sociedade ainda não tem educação para todos, Joinville tem a maior tarifa do transporte público do país e o mundo está afundado em crise, guerras e miséria. Nós acreditamos que somente a organização, conscientização e mobilização dos estudantes podem garantir nossos direitos e conquistar novos.Precisamos tornar o Diretório Acadêmico em um sindicato de estudantes capaz de organizar nossa luta. Nossa independência política só estará garantida quando formos independentes financeiramente. “Quem paga a banda escolhe a música.” Fonte:http://dacs-e-pra-lutar.blogspot.com/2009/11/o-dacs-e-pra-lutar.html

sábado, 7 de novembro de 2009

Por que Boicotar a prova do ENADE?

Somos avaliados constantemente durante nossa vida acadêmica, do vestibular à monografia. Será que uma única prova irá diagnosticar o quanto aprendemos durante o curso? Nós compreendemos que não. Como afirma o sindicato nacional das instituições de ensino superior: “A avaliação não é uma disciplina particular ou uma política específica, mas uma dimensão política educacional.” Não dá para dimensionar o que se aprende e a qualidade da instituição, apenas através de uma prova. Atual forma de organização do ENADE beneficia as Instituições privadas, quanto maior nota, mais fácil de a instituição ser “premiadas” com verbas do governo. Por isso, é importante ter uma nota máxima. Essas instituições irão colocar nos seus outdoors essas notas e assim atrair mais estudantes, é uma ótima jogada de marketing. Cria-se uma competição, um Ranking. Onde o interesse maior é o mercado, os lucros. A coordenação do Atual sistema de avaliação, no qual Enade está submetido, é constituída majoritariamente pelo governo. Que atualmente é um governo de coalizão do PT com partidos de direita. Se analisarmos as políticas que vem sendo aplicadas pelo governo, nenhuma delas tem promovido de fato a universalização da Educação. O boicote expressa nossa indignação com atual política do governo em beneficiar cada vez mais a educação privada. Em transforma nossas universidades em centros de treinamento para o mercado de trabalho. Perdendo assim seu caráter de produtora de conhecimento. Camaradas e Companheiros, só para esclarecer melhor, é interessante ver a lei número 10.861, de 14 de abril de 2004 que criou o Enade. Tem uma parte que diz: § 9o Na divulgação dos resultados da avaliação é vedada a identificação nominal do resultado individual obtido pelo aluno examinado, que será a ele exclusivamente fornecido em documento específico, emitido pelo INEP. Ou seja, estamos protegidos. "Para boicotar o ENADE não bastar estar ausente no dia. O aluno necessita assinar a prova e deixar todas as questões em branco, para ter direito a receber o diploma e constar como realizada no histórico." Então, vamos todos boicotar!!! João Diego

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Mais notícias do ENADE

Está na UOl, 15 perguntas sobre o Enade e uma delas é: 12- Há motivos para fazer a prova? Ou posso só comparecer e deixar tudo em branco? É possível deixar tudo em branco. A nota dos alunos no Enade é utilizada para avaliar a universidade ou instituição de ensino. Uma nota boa, acaba contando para a universidade. O boicote, em geral, é descartado das contas pelo ministério Link: http://educacao.uol.com.br/ultnot/2009/11/06/ult1812u207.jhtm

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Vamos Boicotar o ENADE

Milhares de estudantes terão de comparecer no dia 8 de novembro para realização da prova do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE). A participação é obrigatória, caso contrário, o estudante não receberá seu diploma ao término do curso. Em 2009 os cursos listados para participarem em Joinville são: Administração, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Comunicação Social, Design, Direito, Gastronomia, Gestão de RH, Marketing, Processos Gerenciais, Psicologia e Turismo. A escolha dos estudantes é aleatória, respeitando os seguintes critérios: ter entre 7% e 22% ou 80% e 100% do curso concluído. Por que boicotar o ENADE: A partir do resultado da avaliação, é gerado um ranking das instituições de ensino superior do país e muitas dessas utilizam-no como forma de autopromoção. Tal ação dá ao exame um caráter produtivista, considerando somente o resultado, ou seja, o que o aluno aprende ou deixa de aprender não importa, a instituição só quer saber de um número, que vai enaltecê-la e gerará mais lucro. A avaliação se tornou simplesmente um regulador de mercado. Afinal, o exame não serve para medir a qualidade do ensino, e sim para avaliar o estudante, como se a culpa de tirar uma nota baixa fosse dele. A forma utilizada para listar os alunos que participarão influencia negativamente no perfil médio gerado. A grande maioria dos estudantes selecionados não reflete necessariamente a real situação da instituição. Como a seleção é aleatória, em um ano a faculdade pode ter alunos com alto nível de conhecimento e no outro com péssimo. Esse fator lança por terra toda e qualquer propaganda gerada em função do posicionamento da instituição no ranking. Você pode achar que está no melhor curso do estado, mas talvez na avaliação anterior a sua instituição teve a sorte de ter alunos mais competentes selecionados, enquanto outra instituição foi representada por alunos de nível inferior. Outro ponto problemático são as atitudes tomadas pelo governo diante da classificação das instituições. As melhores colocadas recebem incentivos financeiros, quando na verdade essa verba deveria ser destinada as com maiores dificuldades de ensino. Para as instituições com resultados insatisfatórios resta somente a punição. Até aí o ENADE ainda não ajudou em nada. Para boicotar o ENADE não bastar estar ausente no dia. O aluno necessita assinar a prova e deixar todas as questões em branco, para ter direito a receber o diploma e constar como realizada no histórico. Algumas leis de certa forma protegem o aluno que boicotar a prova. Segundo a lei número 10.861, de 14 de abril de 2004, não constará a nota do estudante no histórico escolar, apenas se compareceu ou não. Ainda sob o respaldo da mesma lei, fica garantido que a nota não será divulgada, só individualmente para cada estudante.

sábado, 31 de outubro de 2009

UJES

UJES

UJES

Documento da Juventude Revolução

Somos estudantes e dirigentes de entidades estudantis em defesa da educação pública com vagas para todos, em todos os níveis, da creche à universidade. Não aceitamos o sucateamento de nossas escolas. Não queremos mais estudar em prédios caindo aos pedaços, onde às vezes não têm nem professor para dar as aulas. As bibliotecas estão desatualizadas, os laboratórios de informática, quando existem, não atendem à demanda. E para piorar, se queremos estudar, temos que pagar transporte, mesmo a educação sendo “gratuita”, pois nos negam o direito ao Passe-Livre Estudantil. O FUNDEB, longe de garantir as verbas necessárias para as escolas de nível fundamental e médio, não resolve o problema do sucateamento das escolas. É um fundo vinculado à porcentagem de arrecadação de impostos que sofre cortes de praticamente 50%, pois o orçamento dos municípios é desviado para a dívida pública, através da Lei de Responsabilidade Fiscal criada por FHC. Lula poderia resolver esses problemas se rompesse as alianças com a burguesia, a coalizão com os partidos da burguesia. É preciso que seja garantido todas as verbas necessárias para resolver os problemas da educação, é preciso que ao invés de pagar a “dívida pública”, o dinheiro do povo retorne ao povo em forma de investimentos massivos em educação, emprego, saúde e moradia. Somos contra a divisão do movimento estudantil. Queremos vagas para todos nas universidades públicas! Foi com essa luta que construímos a UNE, a UBES e organizamos o Movimento Estudantil, e é a essa luta que continuamos fiéis. Continuamos firmes na luta por igualdade pois é essa a luta em caminho ao socialismo. As cotas não criam uma só nova vaga na universidade, apenas dividem as existentes em raças, jogando um estudante contra o outro na disputa das poucas vagas. Da mesma forma repudiamos as políticas racialistas, que buscam dividir o país em raças, como faz o Estatuto da Igualdade Racial. A única divisão existente é a divisão de classes, dos que nada possuem (os trabalhadores) e os que possuem as riquezas (a burguesia). Sabemos que é possível, não num futuro distante, mas desde já, termos a escola que queremos, com prédios estruturados, laboratórios, assistência estudantil, melhores salários aos professores, e universidades para garantir todos no ensino superior! As verbas existem, o problema é que estão sendo enviadas aos capitalistas com a dívida pública, só no ano de 2008 foi cerca de R$ 180 Bi. E mais de R$ 250 Bi para conter os prejuízos dos capitalistas com a crise. Durante anos os governos disseram que não tem dinheiro para a educação, mas em poucos meses esses mesmos governos desviaram trilhões de dólares para os capitalistas enfrentarem a crise. Não tem dinheiro para a educação, mas tem dinheiro para os capitalistas? Essa é uma crise do sistema capitalista, uma crise de superprodução característico da anarquia capitalista. Com a crise fica ainda mais evidente a podridão do capitalismo. É o capitalismo o responsável pela fome, pela miséria, pelas guerras. É por conta desse sistema que os filhos dos trabalhadores são excluídos do lazer e da cultura, jogando milhares nas drogas e nas armas e balas do trafico e do crime organizado. Queremos outro mundo. Um mundo no qual todos tenham direito à educação, diversão, arte, e emprego! Um mundo sem a exploração do homem pelo homem! A situação de nossas entidades é preocupante. A UNE, a UBES e a maioria das entidades gerais estão na “mão do Estado”. Cooptados por verbas e projetos públicos além do esquema de carteirinhas, está comprometida a independência política das entidades. Para nós os Grêmios, Centro Acadêmicos, DCE’s, UEE’s, UBES e a UNE precisam ser retomadas para a luta, assumindo o papel de verdadeiros sindicatos de estudantes, que organiza a luta junto aos trabalhadores, fazendo a ponte entre cada reivindicação do dia-dia com a necessidade de uma luta maior, a unidade dos estudantes e dos trabalhadores para a construção do socialismo. · Contra o sucateamento e a privatização do ensino fundamental e médio! Mais verbas para a educação! · Não à divisão do movimento estudantil! · Queremos vagas para todos nas universidades públicas já! Abaixo o capitalismo, viva a luta dos trabalhadores Primeiros Assinantes: Juventude Revolução - JR (Organização de jovens da Esquerda Marxista), Luana (Diretora da UJES - União Joinvillense dos Estudantes Secundaristas /SC), André (Diretor da União Estadual dos Estudantes - UEE/SP), Andréa (Secretária Geral da Associação Mato-grossense dos Estudantes - AME), Virginia (Tesoureira da União dos estudantes de santa cruz do Capibaribe – USC/PE), Gabriel (Diretor de Escolas Técnicas da AME/MT), Leonila (Diretora de Combate ao Racismo da AME/MT), Gabriel (Diretor do Grêmio Estudantil Escola Técnica Rúi Bloe /SP), Ingrid (Diretora do Grêmio Estudantil Basilides de Godóy /SP), Johannes (Presidente do Grêmio Estudantil Pres. Médice /SC), Iago (Vice Presidente do Grêmio estudantil da escola Dr. Tufi Dippe /SC), Mayara (Presidente do Grêmio estudantil da escola Paulo Medeiros /SC), Mario (Diretor do Centro Acadêmico de História da UFPR), Jaqueline Cisne (Diretora do Diretório Acadêmico de Artes da UDESC), Franicne Hellmans (Diretora do Diretório Acadêmico de Comunicação Social do Ielusc, Joinville /SC), Estéfane Emanuele (Coordenadora Nacional do Movimento Negro Socialista), Caio Dezorzi (Coletivo Municipal da JPT-SP), João Diego Leite (Diretor da JPT de Joinville /SC), Tiago de Carvalho (Diretor da JPT de Joinville /SC), Daison Roberto Colzani (diretor da JPT de Joinville /SC), Evandro Colzani (diretor da JPT de Joinville /SC).

Realizado o Congresso da Ujes.

No dia 24 de novembro, na escola Presidente Médici, foi realizado o 14° congresso da UJES. Reunindo estudantes das escolas Tufi Dippe, Presidente Médici, Paulo Medeiros, Juracy Brosing e João Rocha, representando cerca de 5 mil estudantes. O congresso da União Joinvilense dos estudantes secundaristas (UJES) afirma seu compromisso de luta pela escola pública gratuita e de qualidade e pelo socialismo. Histórico da UJES A Ujes foi fundada em 1963, para defender os interesses dos estudantes secundaristas. Com o golpe militar de 1964, a entidade foi impedida de funcionar. Seus dirigentes foram perseguidos e sua sede tomada. Os grêmios estudantis foram substituídos por centros cívicos, que eram atrelados as direções das escolas e por isso impediam os estudantes de lutar. Em 1986, a Ujes foi reconstruída, estudantes das escolas Tufi Dippe, Celso Ramos, Rui Barbosa, CIS, Presidentes Médici e Jorge Lacerda reorganizaram a UJES, convocando seu congresso de re-fundação. Decisões do Congresso O congresso discutiu a pressão feita pelas direções das escolas para organizar os grêmios. Segundo os estudantes, as direções querem organizar grêmios para cobrar as taxas, pintar a escola ou reformá-la, para dar aula de reforço ou até no lugar dos professores. “Isso é um absurdo!”, afirma Mayara Colzani, “querem transformar os grêmios em centros cívicos. Despolitizados e sem nenhum compromisso de luta”. A Ujes definiu sua concepção de grêmio como um sindicato. Isso significa que seus projetos são voltados à conscientização, organização e a mobilização. “Devemos mostrar a todo o estudante que a única saída é a organização e a luta”, afirma Johannes Halter. Para ele, não podemos pagar taxas, nem arrecadar dinheiro para escola, “isso significa deixar o governo agir livremente dando nosso dinheiro aos bancos”. O congresso elegeu a nova diretoria e aprovou uma noção contra a guerra e contra o golpe de Honduras. Segundo Iago Paqui, “a Ujes é um organização que defende o direito de cada povo escolher seu futuro. Não podemos concordar com o golpe de Honduras e nem com a guerra no Haiti.”

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

CHINA: A REBELIÃO DOS OPERÁRIOS QUE MATAM O PATRÃO Wanderci Bueno Como está se expressando na luta de classes, no chão de fábrica, a restauração do capitalismo na China. No final do mês de julho, na província de Jijin na China, mais de 30 mil trabalhadores e seus familiares se ergueram em luta contra o anúncio de demissão de cerca de 5 mil trabalhadores da empresa Tonghua Iron & Steel em duas de suas plantas, contra os planos da burocracia do PCC (Partido Comunista Chinês) de privatizar a gigante do aço chinês.Os trabalhadores pararam imediatamente a produção e quando as autoridades enviaram pesadas tropas para reprimir os manifestantes, estes reagiram com fúria, estendendo a manifestação para outras fábricas que rapidamente envolveu grande parte da população em um levante que culminou com os trabalhadores prendendo e espancando até a morte o executivo Chen Guojun que fora enviado pelo governo para fazer o trabalho sujo.
Cabe informar que esse executivo era ligado ao maior grupo industrial privado do país.Antes de ser espancado, Chen ameaçou de demitir todos os trabalhadores quando estes se aglutinavam na planta da fábrica para enfrentar as anunciadas demissões.Os trabalhadores tentaram agarrá-lo, mas ele conseguiu escapar. Quando eles tiveram uma segunda chance o espancaram até que ele ficasse inconsciente. As tropas anti-motins se enfrentaram com os piquetes por várias horas e estes conseguiram inclusive impedir que a ambulância entrasse na fábrica para resgatar e socorrer Chen, que acabou morrendo.
O Governo do PC Chinês traiu a Revolução e quer esmagar a classe operária. Segundo dados oficiais da própria burocracia, mais de 50 milhões de trabalhadores foram demitidos nas empresas estatais desde 1990 e agora, só em janeiro deste ano, mais de 20 milhões de emigrantes foram demitidos. Essa onda repressiva, de demissões e violência é parte do mais brutal e gigantesco processo de destruição das conquistas da revolução, para reconstruir o capitalismo na China. Isso significa, por exemplo, o pagamento de 29 dólares aos aposentados enquanto a burocracia vive na opulência, com todos os privilégios. Essa mesma burocracia, para reprimir os trabalhadores, chegou ao extremo de interromper o aquecimento no alojamento dos operários.
Desde 2005 a empresa Jialong estava assumindo o controle da Tonghua Steel. O empresário Zhang Zhixiang é o dono da Jialong e está entre os dez mais ricos da China. É um dos muitos representantes da nova geração de “comunistas” que restauram o capitalismo nesse país. Esse senhor chegou a ser delegado no Congresso Nacional do Povo. É a marcha do processo de destruição do PCC que ataca violentamente as conquistas dos trabalhadores chineses, marcha esta que felizmente encontra a resistência espontânea e heróica da classe operária, onde os sindicatos, subordinados ao aparato do PCC e do Estado, funcionam como verdadeiras tropas de frente para tentar desmoralizar e destruir a combatividade dos operários que, mesmo assim, se erguem contra as privatizações, pois as consideram como um roubo da propriedade pública que é uma herança da revolução usurpada pela burocracia.
Na empresa Linzhou Steel Co., no mês de junho, um empresário, secretário do PCC, o senhor Li Guangyuan, milionário da empresa Fengbao Steel, estava se apropriando da empresa. Os trabalhadores se mobilizaram e exigiram seus direitos e a permanência da empresa como propriedade do Estado. Se enfrentaram com a repressão e com o capitalista Li Guangyuan que é irmão de gente importante no exército e faz parte da nova geração de ex-comunistas que restauram o capitalismo na China. Essas manifestações indicam que cedo ou tarde os trabalhadores perceberão que estão se enfrentando aos capitalistas, que o PCC e os sindicatos, atrelados e controlados pelos agentes da máfia disfarçada de comunista deverão ser varridos e certamente abrirão caminho para a construção de seus sindicatos e de seu próprio partido. Fonte: http://www.marxismo.org.br/index.php?pg=artigos_detalhar&artigo=427

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Disputa Interna no PT

Candidatos falam sobre eleições, planos partidários e crise no senado No dia 22 de novembro o PT realiza o processo de eleição direta (PED) para renovar as direções do partido. Três candidatos disputam a presidência do PT de Joinville: Moacir Nazário, Irio Corrêa e Umberto Mafra. Moacir Nazário é da Esquerda Marxista, mesma tendência do vereador Adilson Mariano. Segundo Nazário, sua candidatura representa a retomada dos princípios que fundaram o PT. “Defendemos a classe trabalhadora e acreditamos no futuro socialista da humanidade”, afirma o candidato. Para Nazário, a verdadeira coligação do PT, nas próximas eleições, deve ser com o povo. Segundo o candidato, as coligações com os partidos de direita como o PMDB, PP e o PDT só servem para as elites. “Essas coligações são como você pegar o café, leite e açúcar e misturar, perde-se a pureza, os princípios do partido”, afirma Nazário. Umberto Mafra é da Esquerda Socialista, mesma tendência do ex-deputado Assis. Tendo boa relação com os outros grupos do partido, Mafra, acredita poder uni-los. Para ele sua candidatura representa, “o princípio da ética e da moralidade, o resgate do partido democrático ligado ao movimento social.” Sobre as coligações, Mafra afirma que o PT deve priorizar uma coligação com os partidos de esquerda, mas para o governo federal, “deve considerar o PMDB." Irio Corrêa é da Construindo um Novo Brasil, mesma tedência do prefeito Carlito Merss. Para ele sua candidatura representa, “a continuidade do sucesso do PT.”. Corrêa diz que após 29 anos, finalmente o PT conseguiu eleger um prefeito. “É esse êxito que nossa candidatura representa”, afirma o candidato. Sobre as coligações, Corrêa diz que eles devem manter a atual base do governo e que já existem conversas com o PMDB e o PDT. “Só assim poderemos dar continuidade ao processo de desenvolvimento do governo", afirma o Candidato. Crise no Senado A crise no senado é também tema das campanhas dos petistas. Para Irio Corrêa, a crise é resultado do embate entre o PT e o PSDB. Para ele o PT tomou uma atitude correta em defender o Sarney. Sobre o caso do senador Mercadante, Irio afirma: “ele não entendeu a linha do partido, que era para defender o Sarney e manter a governabilidade.” “Eu não voltaria atrás”, afirma Umberto Mafra, se estivesse no lugar do senador Mercadante. Ele diz conseguir se colocar no lugar de Mercadante, mas não o apóia em sua atitude. Para Moacir Nazário, decidir renunciar a liderança do PT no senado e voltar atrás depois de uma conversa com Lula, foi um ato covarde. “Ele deveria ter mantido sua posição." Embates passados Os confrontos entre grupos existem desde a fundação do partido. Em Joinville, esse embate não é de hoje. A Esquerda Marxista já levou a disputa do PED para o segundo turno, em um confronto de Adilson Mariano contra Carlito Merss. Nas prévias de 2009, para decidir o candidato a prefeito, as tendências Esquerdas Marxista e socialista, apresentaram o nome do Bellini Meurer como candidato. João Diego

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

ABORTO NÃO PODE SER CRIME!

Dia 28 de setembro: dia de luta pela descriminalização do aborto na América Latina e Caribe! 70.000 – esse é o número de mulheres que morrem por ano no mundo vítimas de abortos ilegais, de acordo com o estudo de 2007 da Federação Internacional de Planejamento Familiar. A maior parte dessas mulheres são jovens pobres que sofrem com a violência de um sistema que nega todos os dias o direito à saúde, educação e outros tantos serviços públicos fundamentais para a emancipação da mulher trabalhadora e de todo o povo. Nessa segunda-feira, dia 28, a Frente pelo fim da criminalização das mulheres e pela legalização do aborto está chamando um ato em São Paulo, na Praça da Sé às 15h. CONVOCATÓRIA No Brasil, o aborto é considerado crime, mas isso não impede e nunca impedirá que ele seja praticado. A clandestinidade, no entanto, condena as mulheres pobres a recorrer a práticas inseguras. A criminalização das mulheres é um ataque ao direito que todas temos de decidirmos sobre o nosso corpo e a nossa vida e obriga a milhares e milhares de mulheres a colocarem sua vida e saúde em risco, por não terem condições de bancarem um atendimento decente. Ninguém faz aborto porque gosta, mesmo assim no Brasil cerca de 240 mil mulheres são internadas em hospitais do SUS em decorrência do aborto clandestino. Elas chegam com hemorragias e infecções que às vezes levam a morte. Quando não são maltratadas e humilhadas nos hospitais. Como se não bastasse, atualmente no Brasil, setores conservadores passaram a perseguir com objetivo de prender, condenar e humilhar as mulheres pobres que recorrem ao aborto e as pessoas que lutam pelo direito de decidir de todas as mulheres.No ano passado, duas mil mulheres no Mato Grosso do Sul tiveram suas vidas expostas e já há mulheres condenadas por praticar aborto. Infelizmente esse lamentável e condenável fato incentivou o “estouro” de clínicas em outras cidades de vários estados do país, numa clara intenção de amedrontar, constranger e criminalizar as mulheres. A ofensiva misógena se dá também no legislativo federal: deputados conservadores propuseram a CPI do aborto, cuja finalidade é investigar as práticas de aborto clandestino no país. O que significa penalizar e perseguir mais ainda as mulheres pobres que recorrem ao aborto clandestino. Outras iniciativas absurdas como proibição do acesso a pílula do dia seguinte mostram o empenho desse setor em retirar das mulheres o direito de decidir sobre o seu corpo. Em nosso continente, a recente experiência de legalização do aborto no México mostra que é possível lidar com esta situação sem hipocrisia. E com resultados positivos para as mulheres, em especial, as mais carentes. Não se vêem mais mulheres chegando ao hospital com o útero perfurado em conseqüência de manobras abortivas perigosas. A lei beneficia também a sociedade e ao Estado. Menos complicações médicas, muitas vezes mais custosas que o aborto, e menos abandonos de recém-nascidos. As autoridades sanitárias do México fazem um balanço positivo da lei que descriminalizou o aborto até doze semanas de gestação - uma experiência pioneira na América Latina.Por isso, neste 28 de setembro, às 15h00, na Praça da Sé exigiremos o fim da criminalização das mulheres e a legalização do aborto. Estaremos mulheres e homens, lutadoras e lutadores comprometidos com a luta por uma sociedade sem opressão, onde todas e todos tenham o direito de decidir o destino de suas vidas. Nenhuma mulher deve ser impedida de ser mãeNenhuma mulher pode ser obrigada a ser mãe! Fonte: http://www.marxismo.org.br/index.php?pg=artigos_detalhar&artigo=411

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Exposição de Fotos

Museu de Arte de São Paulo mostra 120 fotografias de Walker Evans Entre os dias 10 de setembro e 30 de janeiro o Masp ( Museu de Arte de São Paulo), irá mostrar 120 fotografias de Walker Evans. Fotografo que queria ser escritor, mas se apaixonou pela fotografia, na década de 20. Em 1935 ele entrou para da F.S.A. (Farm Security Administration). Organismo Federal criado por Roosevelt para dar solução à crise agrícola dos Estados Unidos, durante a grande depressão. O fotógrafo ficou famoso ao registrar a miséria que vivia os camponeses americanos, durante esse período. O Levantamento documental da comunidade agrícola norte americana e outras fotos que estão documentada no livro Let´s now praise famous man. São os dois trabalhos considerados os expoentes máximos da fotografia documental. Área em que Evans é considerado uma das maiores figuras.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Walker Evans

Walker Evans

Walker Evans

Walker Evans

Um Ato de Protesto

Na noite do dia 16 de setembro, por volta da meia noite, o banheiro químico da escola Conselheiro Mafra foi incendiado. A ação, para alguns professores e estudantes, não foi um ato de vandalismo, mas sim de protesto. A escola está há meses com os banheiros, a quadra e a cozinha interditados. “O fogo não se espalhou porque o banheiro é feito de plástico e derreteu como uma vela”, afirma a diretora.
O grêmio estudantil da escola discorda da atitude, “por não ser a mais correta”, mas afirma que ação foi um ato de coragem. “Demonstrou como estávamos descontentes com a situação, de cinco meses com os banheiros químicos. Isso foi um basta”. Afirma Ana Hemb, presidente do Grêmio Estudantil.
A solução
Outros grêmios estudantis têm opinião semelhante aos estudantes do Conselheiro Mafra. Para Iago Paqui, vice-presidente do Grêmio estudantil do colégio Tufi Dippe, “está errado queimar o banheiro, mas o governo é o responsável de deixar a escola chegar a essa situação.”
Os estudantes do colégio Presidente Médici têm o mesmo problema, pois parte de sua escola está interditada. O presidente do grêmio, Johannes Halter, não concorda com a queima do banheiro. “Queimar um banheiro ou quebrar algo na escola, qualquer um pode fazer, mas organizar uma greve e ir ao governo, só os estudantes. Nossas ações de protesto devem servir para conscientizar e mobilizar todos os estudantes, mostrar que unidos somos fortes!” Para Mayara Colzani, diretora da União Joinvilense dos Estudantes Secundaristas (UJES) , esse é o momento de fazer o debate com os estudantes sobre a organização do grêmio." Ações semelhantes a queima do banheiro, não servem como exemplo de organização. Eles podem ser atos de coragem, mas somente a organização pode efetuar mudança. Estudantes organizem-se no seu grêmio.”
João Diego.

sábado, 26 de setembro de 2009

Ellen Von Unwerth

Ellen Von Unwerth

Biografia de Pierre Verger

Pierre Verger nasceu em Paris, no dia quatro de novembro de 1902. Desfrutando de boa situação financeira, ele levou uma vida convencional para as pessoas de sua classe social até a idade de 30 anos, ainda que discordasse dos valores que vigoravam nesse ambiente. O ano de 1932 foi decisivo em sua vida: aprendeu um ofício - a fotografia - e descobriu uma paixão - as viagens. Após aprender as técnicas básicas com o amigo Pierre Boucher, conseguiu a sua primeira Rolleiflex e, com o falecimento de sua mãe, veio a coragem para se tornar um viajante solitário. Ela era seu último parente vivo, a quem não queria magoar com a opção por uma vida errante e não-conformista.De dezembro de 1932 até agosto de 1946, foram quase 14 anos consecutivos de viagens ao redor do mundo, sobrevivendo exclusivamente da fotografia. Verger negociava suas fotos com jornais, agências e centros de pesquisa. Fotografou para empresas e até trocou seus serviços por transporte. Paris tornou-se uma base, um lugar onde revia amigos - os surrealistas ligados a Prévert e os antropólogos do Museu do Trocadero - e fazia contatos para novas viagens. Trabalhou para as melhores publicações da época, mas como nunca almejou a fama, estava sempre de partida: "A sensação de que existia um vasto mundo não me saía da cabeça e o desejo de ir vê-lo me levava em direção a outros horizontes".As coisas começaram a mudar no dia em que Verger desembarcou na Bahia. Em 1946, enquanto a Europa vivia o pós-guerra, em Salvador, tudo era tranqüilidade. Foi logo seduzido pela hospitalidade e riqueza cultural que encontrou na cidade e acabou ficando. Como fazia em todos os lugares onde esteve, preferia a companhia do povo, os lugares mais simples. Os negros monopolizavam a cidade e também a sua atenção. Além de personagens das suas fotos, tornaram-se seus amigos, cujas vidas Verger foi buscando conhecer com detalhe. Quando descobriu o candomblé, acreditou ter encontrado a fonte da vitalidade do povo baiano e se tornou um estudioso do culto aos orixás. Esse interesse pela religiosidade de origem africana lhe rendeu uma bolsa para estudar rituais na África, para onde partiu em 1948.Foi na África que Verger viveu o seu renascimento, recebendo o nome de Fatumbi, "nascido de novo graças ao Ifá", em 1953. A intimidade com a religião, que tinha começado na Bahia, facilitou o seu contato com sacerdotes, autoridades e acabou sendo iniciado como babalaô - um adivinho através do jogo do Ifá, com acesso às tradições orais dos iorubás. Além da iniciação religiosa, Verger começou nessa mesma época um novo ofício, o de pesquisador. O Instituto Francês da África Negra (IFAN) não se contentou com os dois mil negativos apresentados como resultado da sua pesquisa fotográfica e solicitou que ele escrevesse sobre o que tinha visto. A contragosto, Verger obedeceu. Depois, acabou encantando-se com o universo da pesquisa e não parou nunca mais.Nômade, Verger nunca deixou de ser, mesmo tendo encontrado um rumo. A história, costumes e, principalmente, a religião praticada pelos povos iorubás e seus descendentes, na África Ocidental e na Bahia, passaram a ser os temas centrais de suas pesquisas e sua obra. Ele passou a viver como um mensageiro entre esses dois lugares: transportando informações, mensagens, objetos e presentes. Como colaborador e pesquisador visitante de várias universidades, conseguiu ir transformando suas pesquisas em artigos, comunicações, livros. Em 1960, comprou a casa da Vila América. No final dos anos 70, ele parou de fotografar e fez suas últimas viagens de pesquisa à África.Em seus últimos anos de vida, a grande preocupação de Verger passou a ser disponibilizar as suas pesquisas a um número maior de pessoas e garantir a sobrevivência do seu acervo. Na década de 80, a Editora Corrupio cuidou das primeiras publicações no Brasil. Em 1988, Verger criou a Fundação Pierre Verger (FPV), da qual era doador, mantenedor e presidente, assumindo assim a transformação da sua própria casa num centro de pesquisa. Em fevereiro de 1996, Verger faleceu, deixando à FPV a tarefa de prosseguir com o seu trabalho.

Pierre Verger

Pierre Verger

Pierre Verger

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Última Carta a Leon Trotsky

Escrita em 16 de Novembro de 1927, publicada em português em Junho de 1930, na edição nº 2 do Jornal Luta de Classe (Órgão da Oposição de Esquerda no Brasil), esta carta dirigida a Trotsky revela o que já era e no que se tornaria a degeneração stalinista. À Leon Trotsky
Caro Leon Davidovitch:
Em toda minha vida sempre pensei que o homem político deve saber ir embora a tempo, como um ator deixa a cena, e que é melhor fazê-lo cedo demais do que tarde demais.Adolescente, ainda verde, defendi a correção da conduta de Paul Lafargue, e sua mulher Laura Marx, quando auleidaram-se, o que tanto barulho fez nos partidos socialistas. E me lembro que repliquei asperamente a Augusto Bebel, muito revoltado por este suicídio, que só é admissível discutir-se, a idade escolhida pelos Lafargue (pois não se trata aqui dos anos, mas da utilidade possível do indivíduo), não se pode em caso nenhum contestar o princípio, para um homem público de deixar a vida no momento em que tem consciência de não poder ser mais útil à causa que seria.Há mais de trinta anos que fiz minha esta filosofia de que a vida humana só tem sentido na medida e enquanto está a serviço de um infinito que para nós é a humanidade, porque, sendo o resto limitado, trabalhar pelo resto é desprovido de sentido.Se mesmo a humanidade deve ter um fim, este sobreviverá então uma época tal que, para nós, a humanidade pode ser considerada um infinito absoluto. E se tem como eu, fé no progresso, pode-se muito bem conceber que, mesmo em caso de perdição de nosso planeta, a humanidade encontre os meios de habitar outros mais jovens e prolongue por conseguinte sua existência; e então, tudo que for feito em seu bem em nosso tempo se refletirá também nos séculos longínquos, quer dizer dará a nossa existência a única significação possível.É nisto, e nisto somente, que sempre vi o sentido da vida; e agora, abarcando com o olhar a minha vida passada, dos quais 27 anos nas fileiras do nosso Partido, parece que tenho o direito de dizer que durante toda a minha vida consciente, permaneci fiel a esta filosofia, isto é, vivi segundo este sentido da vida; o trabalho e a luta pelo bem da humanidade.Mesmo os anos de prisão e de cárcere quando o homem é afastado da participação direta na luta a serviço da humanidade, não podem ser riscados da vida, com um sentido, pois, sendo anos de preparação cultural e de auto-didática, contribuíram para o melhoramento do trabalho ulterior; e por esta razão podem ser confundidos com os anos de trabalho a serviço da humanidade, tendo, portanto um sentido. Creio ter o direito de afirmar que nesta acepção, nem um só dia de minha vida foi desprovido de sentido.Mas agora parece, chegou a hora, em que a minha vida perde o seu sentido e, por conseguinte, surge a obrigação de deixá-la, de lhe dar um termo.Há vários anos que a direção atual de nosso Partido, de conformidade com o seu método geral de não dar trabalho aos comunistas da oposição, não me designa nem trabalho político nem trabalho soviético, cuja envergadura e caráter me permitissem ser útil no máximo de minhas forças. No último ano, você o sabe, o Bureau Político me pôs, como oposicionista, completamente de lado de qualquer trabalho político.Por outro lado, provavelmente em parte devido a minha doença e em parte devido a razões melhor conhecidas de você do que de mim – não pude, este ano, participar praticamente do trabalho e da luta da oposição. Foi com um forte combate interior e, no começo, a contra-gosto, que me resignei a esta forma de atividade que só esperei suportar tornando-me completamente inválido: o trabalho literário, cultural e pedagógico. Embora no começo achasse penoso, me entreguei decididamente a esta tarefa, esperando que ela continuasse a dar a minha vida a necessidade e utilidade de que falei acima; só elas a meu juízo podem justificar minha existência.Porém minha saúde vem piorando cada vez mais. Por volta de 20 de setembro, por motivo de mim desconhecido, a Comissão Médica do Comitê Central me convocou para um exame de professores especialistas e estes diagnosticaram um processo tuberculoso ativo nos dois pulmões, uma miocardite, uma inflação crônica da vesícula biliar, uma colite crônica, apendicite e polinevrite crônica (inflamação múltipla dos nervos). Eles me disseram que meu estado de saúde era bem pior do que eu imaginava, e que nem devia pensar em prosseguir até o fim nos meus cursos nos estabelecimentos superiores (a Universidade de Moscou e o Instituto de Orientalismo). Acrescentaram que, pelo contrário, seria mais razoável renunciar a estes planos e não ficar inutilmente nem um dia mais em Moscou e nem mais uma hora sem tratamento e partir imediatamente para o estrangeiro, com destino a um sanatório apropriado. Como esta viagem não podia ser preparada em dois dias, me prescreveram certos remédios e tratamento. Para obtê-los tinha que ir à Policlínica do Kremlin durante algum tempo, até a minha partida.A minha pergunta direta: “Que possibilidade tenho de cura no estrangeiro? E posso me tratar aqui na Rússia sem abandonar meu trabalho?”, os professores e os assistentes, o médico do Comitê Central, camarada Abrossov, um outro médico comunista e o deão do hospital do Kremlin, A. Konseil, responderam claramente que os sanatórios russos não podiam de nenhum modo curar-me e que eu devia contar com um tratamento no Ocidente, pois até então nunca me tratara mais de 2 ou 3 meses no estrangeiro; mas que agora eles insistiam justamente para que eu fizesse uma estadia de seis meses no mínimo, sem fixar o máximo. Acrescentaram que, conformando-me as prescrições deles, não duvidavam que se não me curasse radicalmente, ao menos me seria dado trabalhador por um período maior.Durante dois meses, mais ou menos, nenhuma medida foi tomada pela Comissão médica do Comitê Central (foi ela entretanto que por sua própria iniciativa convocou a consulta em questão) relativo não somente à minha estadia no estrangeiro como do meu tratamento aqui. Ao contrário, a farmácia do Kremlin que sempre me fornecera remédios pelas receitas, ficou interditada de fazê-lo e eu fiquei, de fato, privado de auxílio gratuito dos medicamentos que sempre usara. Fui obrigado a comprar os remédios indispensáveis nas farmácias da cidade (parece que isto se deu no momento em que o grupo dirigente do Partido começou a recorrer com os camaradas da oposição, à aplicação do método: “ferir a oposição no ventre”).Enquanto era suficientemente válido para trabalhar, quase não prestava atenção para isto, mas como o meu estado não parou de piorar, minha mulher começou a trabalhar junto à Comissão Médica do CC, pela minha ida para o estrangeiro, e pessoalmente junto a N. Semachko, que sempre publicamente quebrou lanças para realizar a sua fórmula “salvaguardar a velha guarda”. A questão era, entretanto, constantemente protelada e tudo o que pôde obter minha mulher foi um resumo da decisão do conselho dos médicos. Neste resumo, minhas doenças crônicas eram enumeradas e ficava constatado que o Conselho insistia pela minha partida para o estrangeiro “num sanatório do tipo prof. Friedlander” e por um prazo podendo se prolongar até um ano.No entanto, há nove dias me deitei definitivamente, devido à acuidade e à agravação (como é sempre o caso) de todas as minhas doenças crônicas e sobretudo, o mais terrível, da polinevrite inveterada que tomou de novo uma forma aguda, me constrangendo a autar um padecimento infernal, absolutamente intolerável e me tirando até a possibilidade de andar. Com efeito, há nove dias que estou privado de qualquer tratamento e a questão de minha viagem ao estrangeiro não foi examinada. Nem um só dos médicos do CC me veio ver. O prof. Davidenko e o dr. Levine, chamados à minha cabeceira, me prescreveram algumas insignificâncias que não puderam me aliviar em coisa alguma; reconheceu-se então “que não se podia fazer nada” e que a viagem ao estrangeiro era indispensável e urgente.O dr. Levine disse à minha mulher que o negócio não andava porque a Comissão Médica pensava naturalmente que minha mulher haveria de querer fazer a viagem comigo e que “assim ficava muito caro”. (Quando os camaradas que não são da oposição ficam doentes, são enviados ao estrangeiro, e muitas vezes até com a família, acompanhados de nossos médicos ou professores, eu mesmo sei de muitos destes casos e até reconheço que quando foi de minha primeira crise de polinevrite aguda, fui mandado ao estrangeiro, em companhia de minha família, mulher e filho, e do prof. Konabi; então ainda não existiam os costumes atualmente instaurados no Partido.)Minha mulher respondeu que apesar do triste estado em que me encontrava ela não pretendia absolutamente que eu devesse ser acompanhado por ela ou por alguém. Então o dr. Levine garantiu que nestas condições a questão seria resolvida rapidamente.Meu estado foi se agravando e meus sofrimentos se tornaram tão terríveis que reclamei enfim aos médicos que dessem ao menos um alívio qualquer. O dr. Levine me repetiu hoje que os médicos nada podiam fazer e que a única porta de salvação era a partida imediata para o estrangeiro.Ora, à noite, o médico do CC, camarada Potiomkine, avisou à minha mulher que a Comissão Médica decidira não me enviar ao estrangeiro e de me tratar mesmo na Rússia.A razão era que os professores especialistas insistiam por um tratamento prolongado no estrangeiro, julgando uma certa estadia inútil e que o CC só consentia em me dar para a minha cura uma soma máxima de 1000 dólares (2000 rublos) dizendo ser impossível dar mais.Como você sabe, dei no passado ao nosso Partido outra coisa que um milhar de dólares, em todo o caso, mais do que custei ao Partido, desde que a revolução me privou de todos os meios e que não posso mais me tratar às minhas custas.Mais de uma vez, editores anglo-americanos me propuseram, por pagamentos de “minhas memórias” (à minha escolha, com a única exigência que dissessem respeito ao período das negociações importantes) somas que subiam até a 20.000 dólares. O Bureau Político sabe perfeitamente que sou bastante experimentado como jornalista e como diplomata, para publicar uma só palavra sequer prejudicial ao nosso Partido e ao nosso Estado.Ele não ignora tampouco que fui muitas vezes censor no Comissariado dos Negócios Estrangeiros e que na qualidade de embaixador também o fui para todas as obras russas editadas nos países onde servia. Há alguns anos pedia ao Bureau Político a permissão para editar essas memórias, tomando o compromisso de entregar ao Partido todos os honorários, pois me custa aceitar do Partido dinheiro para me tratar. Em resposta, fui prevenido por uma decisão do CC, nos termos da qual “é formalmente proibido aos diplomatas ou aos camaradas tendo tomado parte no estrangeiro publicar no estrangeiro suas reminiscências ou fragmentos de memórias sem exame prévio dos manuscritos pelo colégio do Comissariado dos Negócios Estrangeiros e o Bureau Político do Comitê Central”.Sabendo das irregularidades e dos atrasos que seriam ocasionados por esta dupla censura, resolvi em 1924 declinar de qualquer proposta. Encontrando-me recentemente no estrangeiro, recebi uma nova oferta garantindo-me 20.000 dólares de honorários.Sabendo, porém, como entre nós se falsifica a história de nosso Partido e da Revolução, não julguei possível emprestar o meu concurso a uma tal falsificação, não tendo dúvida de que toda a censura do Bureau Político (e os editores fazem questão do caráter pessoal das reminiscências, isto é sobre a caracterização dos personagens que nela desempenharam algum papel) consiste em não admitir uma justa apreciação dos personagens e de seus atos, nem destes nem daqueles, isto é nem dos chefes autênticos da Revolução, nem dos dirigentes atuais elevados a esta dignidade. Eu não acho possível editar memórias sem chocar de frente o Bureau Político e por conseguinte não vejo meio de me tratar sem receber dinheiro do CC que, por todo o meu trabalho revolucionário de vinte e sete anos, acha razoável calcular a minha vida e a minha saúde numa soma não passando de 2.000 rublos.No estado em que me encontro atualmente é evidentemente impossível realizar um trabalho qualquer. Se, a despeito de sofrimentos infernais, tivesse a força de continuar a série de meus cursos, uma situação desta ordem exigiria sérios cuidados, seria preciso me transportar por toda parte em “padiola”, me ajudar a procurar nas bibliotecas e nos arquivos os livros e materiais necessários, etc.No decorrer de minha última doença, tive à minha disposição todo o pessoal de uma embaixada: agora, segundo minha “categoria”, não tenho nem mesmo o direito a um secretário particular. Além disso, a desatenção para comigo de que se tem dado provas nestes últimos tempos, por ocasião, das minhas doenças (como agora; em que estou há dias praticamente sem socorro e em que o tratamento elétrico prescrito pelo prof. Davidenko não me é aplicado), mostra que não posso contar nem mesmo com uma coisa tão elementar como um transporte em padiola.Mesmo se fosse tratado, se fosse mandado ao estrangeiro, para a estadia indispensável, minha situação continuaria crítica no mais alto ponto: a última vez passei mais ou menos dois anos num estado de polinevrite aguda, sem fazer um movimento; não tinha então outra doença a não ser esta e no entanto todas as outras que contraí depois são conseqüências desta; agora já me descobriram seis. Mesmo se pudesse daqui por diante consagrar o tempo necessário ao tratamento, é duvidoso que possa contar com uma prolongação útil de minha vida. Agora então que se considera impossível tratar-me seriamente (pois o tratamento na Rússia é, segundo os médicos, sem esperança, e o tratamento no estrangeiro só por 2 meses também o sendo) minha vida perde todo o seu sentido, mesmo sem que se leve em conta minha filosofia esboçada acima. É duvidoso que se possa admitir como necessária uma vida passada em padecimentos incríveis, estando-se pregado numa cama sem movimento e sem possibilidade de realizar um trabalho qualquer.É por isto que digo que o momento chegou em que é indispensável pôr um termo a esta vida.Conheço a opinião geral do partido, contrária ao suicídio, mas suponho que todos aqueles que ficarem sabendo de minha situação não me condenarão por isto.Além do mais, o professor Davidenko acha que a causa da repetição da minha polinevrite aguda é a emoção destes últimos tempos... Se estivesse com saúde teria achado em mim a força e a energia suficientes para lutar contra a situação criada no Partido, mas no meu estado atual, reputo insuportável uma situação em que o Partido tolera silenciosamente a sua exclusão de suas fileiras, apesar de estar absolutamente persuadido de que, cedo ou tarde, haverá no Partido uma crise que o obrigará a rejeitar aqueles que o conduziram a uma tal vergonha... Neste sentido, minha morte é um protesto contra aqueles que levaram o Partido a uma situação tal que ele não possa de nenhum modo reagir contra este opróbrio.Se me é permitido comparar o que é grande com o que é pequeno, direi que a importância do acontecimento histórico que é a sua exclusão e a de Zinoviev, expulsão que há de abrir inevitavelmente um período thermidoriano na nossa Revolução, e o fato que me reduzem depois de 27 anos de trabalho revolucionário nos postos responsáveis do Partido, a uma situação em que nada mais me resta a fazer do que me meter uma bala na cabeça, estes 2 fatos, torno a dizer, ilustram um só e único regime do Partido.Talvez que os dois acontecimentos, o pequeno e o grande juntos, produzirão o abalo que acordará o Partido e o fará parar no caminho que vai dar em Thermidor.Sentir-me-ia feliz, se pudesse acreditar, que assim será, pois saberia então que não iria morrer em vão; entretanto, mesmo tendo a firme convicção de que a hora do despertar do Partido virá, não posso estar convencido de que ela já tenha soado agora... Entretanto, não duvido apesar de tudo de que a minha morte hoje seja mais útil que do que a prolongação de minha vida.Caro Leon Davidovitch, estamos ligados por 10 anos de trabalho comum e, ouso, esperá-lo de amizade pessoal, e isso me dá direito de lhe dizer no momento do adeus, o que em você me parece ser fraqueza.Nunca duvidei da justeza do caminho traçado por você, que sabe que durante mais de 20 anos marchei com você, desde a “revolução permanente”. Mas sempre pensei que faltavam à inflexibilidade, à intransigência de Lênin, sua resolução de ficar, sendo preciso, sozinho no caminho que reconheceu como certo, na previsão da maioria futura, no reconhecimento futuro, por parte de todos da exatidão desse caminho. Você sempre teve razão politicamente, a começar por 1905, e muitas vezes lhe contei ter ouvido, com os meus próprios ouvidos, Lênin reconhecer que em 1905 não fora ele, mas você que tivera razão.Defronte da morte não se mente e o repito agora de novo...No entanto muitas vezes renunciou você à sua retidão em favor de um acordo, de um compromisso que sobreestimava. É um erro. Eu o repito, politicamente sempre você teve razão e agora mais do que nunca. Um dia, o Partido o compreenderá e a História há de reconhecê-lo.Assim, não receie hoje se alguém se separar de você, nem sobretudo se muitos não vêm para o seu lado tão depressa quanto nós todos o desejávamos. Você tem razão, mas a condição da vitória de sua verdade está precisamente numa estreita intransigência na mais severa rigidez, no repúdio de todo compromisso, exatamente como isto foi sempre o segredo da vítima de Illitch.Por diversas vezes tive vontade de lhe dizer isto, mas só agora me decidi a fazê-lo, na hora do adeus.Duas palavras pessoais. Atrás de mim ficam uma mulher, uma filha doente e um rapazola mal adaptados a uma vida independente. Sei que nada pode você fazer agora por eles. Sob este ponto não posso contar em cousa nenhuma com a direção atual do Partido.Mas não tenho dúvidas de que o dia não está longe em que você há de retomar o lugar que lhe é devido. Então, não se esqueça dos meus. Eu lhe desejo energia e valentia iguais às de que tem dado provas até o presente, e a mais rápida vitória. Eu o abraço fortemente. Adeus.Moscou, 16 de novembro de 1927.
A. Joffe
Notas: O último serviço à causa:A carta que se lê foi escrita pelo camarada A. Joffe, na noite de 15 para 16 de Novembro de 1927 e dirigida a Trotsky. A vida de Joffe foi toda até o seu último minuto consagrada à causa da libertação do proletariado. Morreu aos 44 anos de idade. Ocupou no Partido e no governo soviético os postos de maior responsabilidade.Bolchevista desde 1900, foi depois de uma deportação na Sibéria, Presidente do Conselho Militar revolucionário em 1917, depois tomou parte com Trotsky nas negociações de Brest-Litovsk.Em 1918 foi nomeado embaixador dos Soviets em Berlim, dirigiu com Tchitcherine a comissão para as negociações com a Polônia e em seguida a delegação soviética na Conferência em Gênova.Foi o primeiro embaixador soviético em Pequim e depois no Japão. Foi quem assinou o tratado de paz entre o Japão e a União Soviética, quem dirigiu em Xangai (China) as negociações com Sun-Yat-Sen (o fundador do Kuomitang) e participou das negociações entre a Inglaterra e a URSS.Reduzido por uma polinevrite a uma invalidez quase completa, impossibilitando-o de tomar parte ativa nas lutas políticas de então, Joffe não viu outro meio de ainda servir à causa da Revolução – do que se matar, dando à sua morte uma significação precisa de protesto contra a exclusão de Trotsky do Partido e o regime de perseguição pessoal, adotado pela direção na sua campanha contra a oposição. A sua carta foi encontrada logo após sua morte sobre sua mesa.Não chegou, porém, às mãos de seu destinatário.Os seus funerais em Moscou, no dia 19 de Novembro tiveram um caráter comovedor. Apesar de realizados nas horas de trabalho, compareceram milhares e milhares de operários, camaradas do Partido, delegações do Exército Vermelho.Tchitcherine falou oficialmente em nome do governo. Depois falaram diversos camaradas da oposição, Rakovsky, entre outros, disse sobre seu túmulo, “ele partiu, quando compreendeu que era esta sua suprema maneira de servir ao Partido”. Por último falou Trotsky que, no meio de uma emoção e dum silêncio indizíveis, terminou seu adeus dizendo: “Como tu, nós juramos ir até o fim sem fraquejar, sob as bandeiras de Marx e de Lênin!” – N.R.

Professor Layton and the Diabolical Box

Um novo jogo para a Nintendo DS. Um Jogo que te conquista pelo trailer. Uma trilha sonora excelente e as cenas de animes é o suficiente para tê-lo em meu DS. A história é bem interessante também. Ela da continuidade ao primeiro jogo, "Professor Layton and the Curious Village", que mostra o britânico professor Layton e o aprendiz Luke lidando com um artefato de poder misterioso, a caixa Elysian. A caixa é supostamente responsável por tirar a vida do mentor de Layton. Investigando o caso o acadêmico acaba embarcando em uma viagem no trem Molentary Express, um antigo veículo de luxo, no qual o enredo se desenrola e os mistérios surgem e são resolvidos. O jogo é cheio de quebra cabeças, que são inspirados novamente na série de livros do matemático japonês Akira Tago, os mais de 150 enigmas são de dificuldades e estilos dos mais variados, fazendo bom uso da tela de toque do Nintendo DS.
Agora é deixar de falação e baixar da net!

Professor Layton and the Diabolical Box

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Contra o Golpe Militar de Honduras

Garoto de 10 anos é simbolo da resistência ao golpe militar de Honduras. Segue o vídeo abaixo.

Contra o Golpe Militar de Honduras!

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

MARINA DESERTA. LULA HUMILHA SENADORES DO PT. QUE FAZER?

Editorial da edição nº 23 do Jornal Luta de Classes. A atual crise no Senado é expressão da crise econômica, política e moral que vive a burguesia. Mas o que envergonha mesmo os trabalhadores é Lula, ex-metalúrgico, defendendo um patrão-coronel como o Sarney, abraçando o Collor, chamando-o de grande homem e apoiando sua candidatura ao governo de Alagoas. Esta é a origem política da atual crise que vive o PT. Mesmo se Lula ri e diz que não há crise, há sinais concretos da gestação de uma crise sem precedentes. A burguesia já está em campanha para levar Marina e Serra para o 2º Turno. Em 2010, teremos uma “petista de primeira hora” pelo PV contra uma candidatura do PT “petista de última hora”. E lançada pelo Planalto sem discussão no PT. Como pretendem por os militantes em campanha?! Marina jamais se propôs, no PT, a ser a candidata. Nunca discutiu isso em qualquer instância e muito menos com os militantes. E agora rompe para ser candidata pelo PV, que está aliado estadualmente com o PSDB, com o PMDB, com o PT, com o PDT, etc. São os cavalheiros da indústria do Meio Ambiente. Marina não sai do PT combatendo pelos “sonhos” como tenta fazer crer a direita. Se é verdade, lamentavelmente, que os ideais da fundação do PT estão sendo varridos para baixo do tapete, Marina faz parte da turma da faxina há muito tempo. Foi ela que fez aprovar a lei de privatização da Amazônia. E anunciou isso no Dia da Árvore, 21/09/2006, em Nova York, dizendo que “agora os empresários internacionais responsáveis poderão ajudar a preservar a Amazônia”. Foi Marina que tentou transformar o IBAMA no território livre das ONGs, principalmente as internacionais, que trabalham e abrem caminho para as multinacionais na Amazônia. Sua opinião pessoal é de que “esta história de proteger a Amazônia contra as multinacionais é coisa dos militares da Ditadura.”. O Jornal Luta de Classes tem publicado regularmente matérias sobre a Amazônia tudo isso com dados. Outros já romperam com o PT pensando que o povo ia junto. Heloísa Helena, injustamente expulsa, aceitou a decisão e saiu sem combate. Hoje, anda aliada com um delegado de polícia, Protógenes, seu partido aceita dinheiro da Multinacional brasileira GERDAU e se alia com a burguesia, como o PT. A crise no Senado é parte destas forças que centrifugam o PT. Todos os que têm pouca ou nenhuma ligação com a classe trabalhadora imediatamente, ao menor sinal de crise, se declaram subitamente “revoltados com a falta de ética do PT”. Na verdade desertam em busca de um abrigo moral e conveniente para sua postura pequeno-burguesa e de carreira solo, que recusa o coletivo e as opiniões dos militantes, trabalhadores e jovens. E nem falar de socialismo. Enquanto as alianças com os partidos burgueses serviam para eleger, tudo ia bem. Quando sua carreira pessoal periga, então parece que o mundo vai se acabar! É por isso que com mais de 1.700 companheiros de 18 estados do Brasil, impulsionamos a chapa “Virar à Esquerda! Reatar com o Socialismo!” e a candidatura de Serge Goulart a presidente nacional do PT nas eleições do PED, em 22/11/09. Afirmamos que Lula e o PT devem romper as alianças com Sarney, Collor, Maluf e todos os para partidos capitalistas, e apoiar-se na CUT, no MST, na UNE e na mobilização dos trabalhadores para constituir um verdadeiro governo dos trabalhadores do campo e da cidade. Faça contato e junte-se a nós nesse combate no PT e contra o capitalismo, pelo socialismo Fonte:http://www.marxismo.org.br/index.php?pg=artigos_detalhar&artigo=394

domingo, 30 de agosto de 2009

Dragon Ball Kai

Ao completar 20 anos a série Dragon Ball Z ganha uma nova versão. Sendo reformada em alta definição e com menos episódios, Dragon Ball Kai, que em japonês significa revisão, é uma nova versão de Dragon Ball Z. A nova versão tem 100 episódios, enquanto Dragon Ball Z tem 291. Os cortes deixaram a história do anime mais coesa, não se perdendo com os fillers*. A estréia no Japão, em Abril desse ano foi um sucesso. O anime se mantêm entre os 10 animes mais visto no Japão. *Fillers: são episódios para enrolar a estória. Abaixo segue abertura de Dragon Ball Kai.

Dragon Ball Kai

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Aula de Fotografia

Bom, abaixo segue umas fotos que fiz em minha aula de fotografia. As primeiras fotos foram feitas de uma apresentação do pianista Edson Santana de Joinville, na casa da cultura. A apresentação foi promovida pela escola municipal Villa lobos e tem por objetivo a integração dos estudantes de música e músicos. As segundas fotos também são na casa da cultura e tratam sobre uma exposição da artista Iara Dewachter.

Edson Santana

Edson Santana

Edson Santana

Edson Santana