Follow by Email

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Comuna de Paris

Atividade que vou fazer com a diretoria e contatos da Ujes. 


sexta-feira, 22 de abril de 2011

Tenho tanto sentimento

Tenho tanto sentimento
Que é freqüente persuadir-me
De que sou sentimental,
Mas reconheço, ao medir-me,
Que tudo isso é pensamento,
Que não senti afinal.

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.
Qual porém é a verdadeira
E qual errada, ninguém
Nos saberá explicar;
E vivemos de maneira
Que a vida que a gente tem
É a que tem que pensar.

Fernando Pessoa

Ryu vs M.Bison- Lembranças

Resolvi postar esse vídeo. Nesse feriado lembrei de o quanto gosto de Street Figther, ele foi o primeiro anime de qualidade que vi.
A cena é clássica, pena que nenhuma versão para o cinema chegou ao nível que a série merece, mas esperemos...
Por enquanto fiquem com o vídeo da luta do Ryu com o Bison.

Por que o Lucifer foi expulso do céu?

Discurso no Funeral de Karl Marx

Em 14 de março, quando faltam 15 minutos para as 3 horas da tarde, deixou de pensar o maior pensador do presente. Ficou sozinho por escassos dois minutos, e sucedeu de encontramos ele em sua poltrona dormindo serenamente — dessa vez para sempre.

O que o proletariado militante da Europa e da América, o que a ciência histórica perdeu com a perda desse homem é impossível avaliar. Logo evidenciará-se a lacuna que a morte desse formidável espírito abriu.

Assim como Darwin em relação a lei do desenvolvimento dos organismos naturais, descobriu Marx a lei do desenvolvimento da História humana: o simples fato, escondido sobre crescente manto ideológico, de que os homens reclamam antes de tudo comida, bebida, moradia e vestuário, antes de poderem praticar a política, ciência, arte, religião, etc.; que portanto a produção imediata de víveres e com isso o correspondente estágio econômico de um povo ou de uma época constitui o fundamento a parir do qual as instituições políticas, as instituições jurídicas, a arte e mesmo as noções religiosas do povo em questão se desenvolve, na ordem em elas devem ser explicadas – e não ao contrário como nós até então fazíamos.

Isso não é tudo. Marx descobriu também a lei específica que governa o presente modo de produção capitalista e a sociedade burguesa por ele criada. Com a descoberta da mais-valia iluminaram-se subitamente esses problemas, enquanto que todas as investigações passadas, tanto dos economistas burgueses quanto dos críticos socialistas, perderam-se na obscuridade.

Duas descobertas tais deviam a uma vida bastar. Já é feliz aquele que faz somente uma delas. Mas em cada área isolada que Marx conduzia pesquisa, e estas pesquisas eram feitas em muitas áreas, nunca superficialmente, em cada área, inclusive na matemática, ele fez descobertas singulares.

Tal era o homem de ciência. Mas isso não era nem de perto a metade do homem. A ciência era para Marx um impulso histórico, uma força revolucionária. Por muito que ele podia ficar claramente contente com um novo conhecimento em alguma ciência teórica, cuja utilização prática talvez ainda não se revelasse – um tipo inteiramente diferente de contentamento ele experimentava, quando tratava-se de um conhecimento que exercia imediatamente uma mudança na indústria, e no desenvolvimento histórica em geral. Assim por exemplo ele acompanhava meticulosamente os avanços de pesquisa na área de eletricidade, e recentemente ainda aquelas de Marc Deprez.

Pois Marx era antes de tudo revolucionário. Contribuir, de um ou outro modo, com a queda da sociedade capitalista e de suas instituições estatais, contribuir com a emancipação do moderno proletariado, que primeiramente devia tomar consciência de sua posição e de seus anseios, consciência das condições de sua emancipação – essa era sua verdadeira missão em vida. O conflito era seu elemento. E ele combateu com uma paixão, com uma obstinação, com um êxito, como poucos tiveram. Seu trabalho no 'Rheinische Zeitung' (1842), no parisiense 'Vorwärts' (1844), no 'Brüsseler Deutsche Zeitung' (1847), no 'Neue Rheinische Zeitung' (1848-9), no 'New York Tribune' (1852-61) – junto com um grande volume de panfletos de luta, trabalho em organização de Paris, Bruxelas e Londres, e por fim a criação da grande Associação Internacional de Trabalhadores coroando o conjunto – em verdade, isso tudo era de novo um resultado que deixaria orgulhoso seu criador, ainda que não tivesse feito mais nada.

E por isso era Marx o mais odiado e mais caluniado homem de seu tempo. Governantes, absolutistas ou republicanos, exilavam-no. Burgueses, conservadores ou ultra-democratas, competiam em caluniar-lhe. Ele desvencilhava-se de tudo isso como se fosse uma teia de aranha, ignorava, só respondia quando era máxima a necessidade. E ele faleceu reverenciado, amado, pranteado por milhões de companheiros trabalhadores revolucionários – das minas da Sibéria, em toda parte da Europa e América, até a Califórnia – e eu me atrevo a dizer: ainda que ele tenha tido vários adversários, dificilmente teve algum inimigo pessoal.

Seu nome atravessará os séculos, bem como sua obra!

Friedrich Engels
18 de março de 1883


quarta-feira, 20 de abril de 2011

Realizada terceira sessão do Cine - Debate


O CADU (Centro Acadêmico de Direito) e a Ujes (União Joinvilense dos Estudantes Secundaristas) organizaram, no dia 16 de abril, a terceira sessão do Cine-Debate com o filme Eles não usam Black Tie (1981).


Baseado na peça de Gianfrancesco Guarnieri  e dirigido por Leon Hirszman, o filme brasileiro conta a história de uma família envolvida em uma greve. 


Participaram da sessão estudantes secundaristas, universitários e servidores públicos. Os participantes fizeram um debate sobre o filme e ao final escolheram o próximo filme a ser rodado: Meu irmão é filho único - “Mio fratello è figlio único“(2007).

A próxima atividade ainda não tem data para acontecer, mas o blog divulgará assim que estiver decidida.

domingo, 17 de abril de 2011

Joy Division

Eu gosto de Interpol, mas também gosto de The Killers. As duas bandas são influênciadas por Joy Division.

Essa semana, ao procurar algumas músicas do The killers encontrei uma versão que eles fizezeram da música Shadownplay, do Joy Division. A música me fez querer conhecer mais Joy Division.

Resolvi baixar o filme que conta a história de Ian Curtis, vocalista da banda...

Vejo semelhanças das bandas que mais gosto com o som de Joy Division. É sempre uma música cinza, em que se tenta expressar os sentimentos mais profundos.

Acho que a versão de The Killers ficou muito boa.

Fiz o caminho inverso...

Conheci Interpol, The Killers e depois Joy Division.

Mas bem, abaixo segue uma música do The Killers e outra do Joy Division




quinta-feira, 14 de abril de 2011

sábado, 9 de abril de 2011

A nova via da revolução?


No Egito, os manifestantes derrubaram Hosni Mubarak depois de 30 anos no poder. As organizações dos movimentos se deram através do Twitter e do Facebook. Antes disso, na Tunísia, a população usa o Facebook e o Twitter para organizar manifestações que resultaram na destituição do presidente Ben Ali. Este episódio ficou conhecido como "revolução na Tunísia foi tuitada", numa alusão ao documentário A revolução não será televisionada, que apresenta os acontecimentos do golpe contra o governo do presidente Hugo Chávez, em abril de 2002. Na Líbia, o Conselho Nacional transitório, órgão criado pelos rebeldes, abriu uma conta no Twitter para se comunicar com os meios de comunicação nacionais e estrangeiros de forma direta. Após o terremoto que vitimou mais de dez mil pessoas no Japão, o povo usa o microblog para buscar informações sobre parentes e vítimas.

Não há como negar que o Twitter se tornou o meio de comunicação mais democrático da atualidade. "Não podemos dizer que, no caso da Líbia, Egito e Tunísia, foram as redes sociais que revolucionaram o movimento. O movimento já existia, a insatisfação popular já existia, só que as redes sociais potencializam a forma de atuação. Então, elas permitem que mais pessoas postem mais coisas, mesmo em regimes ditatoriais cujo controle é de ordem máxima", explica a professora Pollyana Ferrari durante a entrevista que concedeu à IHU On-Line. Ela é complementada pela professora Adriana Amaral, que diz: "O poder revolucionário está nas pessoas, mas as redes potencializam e redistribuem esse poder, para o bem ou para o mal. Houve uma demanda que as mídias massivas de repente não estavam conseguindo contemplar." Na mesma entrevista, a professora Sandra Montardo afirma que o papel do Twitter é importante porque está sendo utilizado em busca da democracia. Porém, ainda que o potencial do microblog esteja em alta, ele ainda sofre controle. O próprio Egito bloqueou o acesso ao sítio (twitter.com) quando percebeu seu potencial. "A internet e as plataformas que vieram com ela funcionam muito para ajudar a comunicação, a circulação de informação, mas ainda são fortemente controladas", aponta Matheus Lock dos Santos. As quatro entrevistas foram concedidas por telefone à IHU On-Line.

Sandra Montardo é doutora em Comunicação Social pela PUCRS e professora de Ambientes Digitais na Feevale. Pollyana Ferrari é doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. É autora de A força da mídia social: interface e linguagem jornalística no ambiente digital (São Paulo: Factash, 2010). Adriana Amaral é doutora em Comunicação Social pela PUCRS e professora de Jornalismo Online na Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Matheus Lock dos Santos é mestrando em Comunicação e Informação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul onde apresentará a pesquisa intitulada "Manifestações em 140 caracteres: a mobilização popular e a formação de redes sociais no Twitter para o debate e confronto político".

Confira as entrevistas.

***

"Redes sociais facilitam a circulação de informações"

Como você avalia o uso das redes sociais em conflitos recentes, como no Egito, na Líbia e, até em desastres naturais, como no Japão?

Sandra Montardo – Parece-me fundamental o uso de tais ferramentas até para, de certa forma, determinar alguns destes acontecimentos. Por exemplo, li em uma reportagem que primeiro houve uma revolução na Tunísia e que os tunisianos avisaram via Facebook sobre os acontecimentos. Eles colocavam formas de se proteger em protestos, de escapar de bombas de gás lacrimogêneo, divulgando formas de como se organizar. Houve, então, uma troca de informações entre os tunisianos e os egípcios. Este é um belo exemplo de como a rede está sendo utilizada para a democracia.

Pollyana Ferrari – Esse é um excelente uso. Sempre falei que as redes sociais, principalmente Twitter e Facebook, tinham muita capacidade de uso político e para ajuda humanitária. A Cruz Vermelha, por exemplo, está fazendo um excelente trabalho no caso do Japão. O Greenpeace, na questão do vazamento nuclear, também está fazendo uma excelente cobertura utilizando as redes sociais. Porém, não podemos dizer que no caso da Líbia, Egito e Tunísia foram as redes sociais que revolucionaram o movimento. O movimento já existia, a insatisfação popular já existia, só que as redes sociais potencializam a forma de atuação. Então, elas permitem que mais pessoas postem mais coisas, mesmo em regimes ditatoriais cujo controle é de ordem máxima.

Adriana Amaral – As redes sociais estão mostrando que são artefatos que estão presentes cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas. E as pessoas vão se apropriando delas conforme suas experiências culturais, suas relações.

Matheus Lock dos Santos – Vejo a utilização das redes sociais mais como uma plataforma de engajamento político que vai ajudar movimentos sociais populares, como aconteceu no Irã em 2008, como uma forma de complemento em relação à comunicação. Várias pessoas estão falando que as redes sociais estão explodindo essas formas de movimentação e protesto. Mas, na verdade, é necessário ter um ambiente social muito mais em ebulição do que uma ferramenta para fazer um movimento social.

As redes sociais são muito importantes, sim, porque facilitam muito a circulação de informações. Elas não são, todavia, o foco principal. No Iêmen, por exemplo, a população é muito pobre, praticamente não tem acesso à internet. Mesmo assim a população está se articulando de forma incrível com as condições possíveis. Acho que elas são extremamente importantes, mas não podem levar o crédito todo.

"Formas rápidas e dinâmicas de comunicação"

Podemos dizer que as redes sociais foram a base das revoltas árabes?

S.M. – Elas tiveram um papel importante. Li outra matéria falando que um jornalista estava preso, mas ninguém sabia de seu paradeiro. Como tinha acesso ao celular, ele tuitou sobre sua condição e rapidamente as pessoas do seu país foram atrás de informações e conseguiram soltá-lo. São coisas deste tipo, ele só colocou uma hashtag "#arrested", e as pessoas conseguiram se mobilizar para libertá-lo.

P.F. – Como plataforma de mídia, digo que sim; como movimento social, não, porque nem tudo ocorreu no virtual. Se formos pensar como mídia, o papel das redes sociais foi revolucionário, sem dúvida alguma.

A.A. – Diria que elas foram um facilitador desse "troféu".

M.L.S. – Elas não foram a base. Os conflitos têm uma construção muito mais histórica de problemas de emprego, de dominação, de coação. Os fatores históricos são muito mais profundos que as redes sociais. Essas são plataformas que tiveram um grande êxito por serem rápidas; são formas mais dinâmicas de comunicação.

"Redistribuem o poder, para o bem ou para o mal"

Você acredita que as redes sociais têm um poder revolucionário?

S.M. – Acredito sim. As redes, por si só, não fazem nada, mas possibilitam que as pessoas, de uma maneira mais fácil e mais rápida, consigam se conectar e se organizar mais rapidamente para alguma coisa.

P.F. – Não chamaria de poder revolucionário. A palavra é um pouco apoteótica demais. Podemos dizer o seguinte: as redes sociais potencializam qualquer manifestação e movimento, seja ajuda humanitária, movimentos políticos, causas trabalhistas. O caso dos ciclistas, em Porto Alegre, que foram atropelados é um exemplo disso. É uma evolução, não uma revolução. Se tivéssemos, em maio de 1968, o Twitter, a situação teria sido muito diferente. São movimentos sociais ancorados pelas redes sociais. Essas ferramentas dão força, capacidade de dizer para muita gente o que você quer rapidamente.

Tenho um pé atrás de dizer que foi essa plataforma que revolucionou todas as manifestações. O povo do Egito estava, por exemplo, há mais de um ano fazendo denúncias via Twitter. Este país tem muitos blogueiros; usava o Facebook com bastante propriedade. Quando resolveram ir para a rua, estavam muito organizados. A pessoa encontra no microblog um canal para viabilizar suas manifestações; não é a ferramenta que faz a revolução. Há o desejo das pessoas de contar. Um paralelo é Cuba. Com todas a efervescência e manifestações contra governos ditatoriais. por que Cuba não usa o Twitter? Há tantos blogueiros no país... Falta força popular, nesse caso.

A.A. – Prefiro acreditar que o poder revolucionário está nas pessoas, mas as redes potencializam e redistribuem esse poder, para o bem ou para o mal. Houve uma demanda que as mídias massivas de repente não estavam conseguindo contemplar. Desta forma essas ferramentas acabam sendo apropriadas de outras maneiras, como aquela de, digamos assim, dar conta dessa faceta de conflito.

"Agregar e expandir as forças da resistência"

Pela poderosa rede social que é, o Twitter se converteu no que podemos chamar de protagonista dessas revoltas no mundo árabe, pela ascensão e queda de personagens. Cinco anos depois da ferramenta, ela continua crescendo. O que isso significa para a comunicação?

S.M. – Significa várias coisas. As pessoas têm uma forma rápida de se comunicar e fazer suas mensagens chegarem a muitas outras. Cada vez mais a ferramenta vai se adequando aos usos que são dados a ela. Por exemplo, aplicativos como o Tweetdeck possibilitam que nós possamos buscar por colunas as hashtags que nos interessa. O próprio twitter, com sua atual interface, facilita a função retweet (retuitar). No começo não existia essa função; foram os usuários que inventaram o retuite. A história trending topics foi surgindo depois que os usuários criaram e passaram a usar as hashtags. O interessante é isso: a ferramenta vai ter vida longa se conseguir ir se adaptando às necessidades dos usuários que vão se alternando no decorrer do tempo e também a partir do uso que elas fazem das próprias ferramentas.

P.F. – Acredito que, neste momento, é a principal ferramenta para esse tipo de ação. O Facebook está crescendo. Este possui o Facebook Causes para quando se quer fazer doações. Mas ainda não superou o Twitter. Por que essa ferramenta deu tão certo? Porque é muito fácil mexer nela. Não requer grandes habilidades, não requer flash, nenhuma parafernália.

M.L.S. – O Twitter veio de uma forma muito forte para agregar a questão da circulação da informação. Fica cada vez mais difícil a relação entre controle e censura. Essa relação de luta pelo poder simbólico da informação é ainda disputada por jogadores muito fortes e ainda vai continuar dessa forma. Seria uma ingenuidade de nossa parte achar que o Twitter – e ferramentas desse tipo – veio para democratizar a informação maravilhosamente bem. Tanto isso é verdade que está aí a luta fervorosa contra o WikiLeaks por parte dos Estados Unidos e da China. Controle e censura sempre vão haver. Nos EUA existem centros de informação e inteligência do governo que seguem tuiteiros que seriam ditos "revolucionários". A internet e as plataformas que vieram com ela funcionam muito para ajudar a comunicação, a circulação de informação, mas ainda são fortemente controladas. Elas vieram para agregar, e espero que outras plataformas continuem sendo criadas para expandir cada vez mais as forças da resistência (Envolverde/IHU On-Line).

Fonte: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=636ENO001

Poesia: Dobre

Peguei no meu coração
E pu-lo na minha mão
Olhei-o como quem olha
Grãos de areia ou uma folha.

Olhei-o pávido e absorto
Como quem sabe estar morto;

Com a alma só comovida
Do sonho e pouco da vida.

Fernando Pessoa

Radiohead - All I Need (Legendado)

Noé



Fonte: http://www.umsabadoqualquer.com/category/noe/

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Radiohead - Videotape (Legendado)

Gosto muito de Radiohead...

House: o anti-herói
















O seriado Doutor House é famoso pelo seu personagem principal, um médico mal humorado, sarcástico, viciado e um gênio da medicina. Todos que acompanharam um pouco a série perceberam no mínimo, umas das características citadas.

House é sempre prepotente.  Ele pode e faz. É a peça chave de qualquer cura. Sua equipe é apenas um apêndice. Eles o ajudam a solucionar os problemas, mas não os resolvem sem ele.

O brilhantismo de House chega a ser algo, como um super poder. Só que ao invés de monstros ou alienígenas ele enfrenta doenças.  Mesmo drogado ou ferido é sempre ele que salva o dia.
O doutor não é bem um herói, ele está mais para um anti-herói. Aqueles que fogem do padrão escoteiro e que muitas vezes são heróis sem querer ser.

House pouco se importa com os pacientes. Normalmente não fala com eles e manda sua equipe fazer os exames. Só desce “arena”, em casos extremos. E como todo o anti-herói seus defeitos às vezes são suas melhores qualidades.

Tem apenas um amigo. Não confia em ninguém, para ele todos mentem. Não consegue se relacionar com as pessoas de forma amistosa. Não respeita regras, não importa o que diz a lei ou qualquer outra regra, o que importa é a cura. É sempre solitário. Usa drogas e sai com prostitutas e mesmo assim salva o dia...

O que atrai o House não é o bem que ele faz para as pessoas, mas o quanto difícil é o diagnóstico da doença.   Ele enxerga a doença como uma quebra cabeça, um jogo, um desafio e assim vê toda a sua vida.


O que as pessoas gostam em House, não é o seu debate sobre medicina, pois a maioria esmagadora das pessoas não entende nada do que eles falam das doenças.  Elas gostam é a sua independência frente a tudo e todos.

House não precisa de ninguém. As pessoas precisam dele, por isso aceitam seu uso de drogas e sair com prostitutas, por ser um gênio, seus problemas é apenas uma característica de sua excentricidade.

Em todos os episódios a trama é mais ou menos a mesma.  Uma doença misteriosa, uma mentira e um problema pessoal do House. É a formula do sucesso. Ela vai ao encontro do espírito individualista e cético de nossa sociedade.

House é o salvador da pátria, que não acredita na salvação da pátria, mas que se diverte fazendo isso. É uma série, que tem inovado a cada temporada, dentro de uma fórmula pronta.

João Diego. 


Fotos com Alan Woods

Segue abaixo duas fotos. Minha e da Juventude Marxista com o Alan Woods.






terça-feira, 5 de abril de 2011

domingo, 3 de abril de 2011

Radiohead - Street Spirit (Legendado)


video

Conferência Com Alan Woods em Joinville


Segue as fotos que tirei da conferência com Alan Woods...




sexta-feira, 1 de abril de 2011

No princípio

Como Deus deu os nomes aos animais...



Fonte: http://www.umsabadoqualquer.com/