Follow by Email

domingo, 23 de janeiro de 2011

Citações Do: livro Socialismo Utópico Socialismo Científico.

O Livro Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico, de Friedrich Engels. Deve ser lido por todo o militante que deseja se tornar um revolucionário marxista.

Engels, consegue explicar com clareza o significado do materialismo histórico e dialético. E foi por isso que reli o livro.

A citações que pus abaixo, são algumas coisas que acho importante para a compreensão do materialismo e o papel exercido, muitas vezes, pela religião em união com a burguesia.

"Tinha que sugar deles a maior quantidade e a melhor qualidade de trabalho; para consegui-lo, tinha de educá-los numa submissão adequada. Pessoalmente era um Homem religioso; sua religião lhe havia fornecido a bandeira pela qual combateu o rei e os senhores; descobriria também, havia pouco, os recursos que essa religião lhe oferecia para trabalhar o espírito de seus inferiores naturais e torná-los submissos às ordens dos amos, que os desígnios imprescritíveis de Deus lhe inspiravam. Em outras palavras, o burguês da inglaterra participava agora na empresa de oprimir as "as classes inferiores", a grande massa produtora da nação, e um dos meios empregados para isso era a influência da religião"

"Agora, mais do que nunca, era necessário manter o povo à distância mediante recursos morais; e o primeiro e mais importante recurso moral com que se podia influenciar as massas continua a ser a religião. Daí a maioria dos postos entregues aos padres nos organismos escolares e daí a burguesia impor-se a si mesma cada vez mais tributos para sustentar toda a espécie de revivalismo, desde ritualismo até o exército da salvação. "

"A concepção materialista da história parte da tese de que a produção, e com ela a troca dos produtos, é a base de toda a ordem social; de que em todas as sociedades que desfilam pela história, a distribuição dos produtos, e juntamente com ela a divisão social dos homens em classes ou camadas, é determinada pelo que a sociedade produz e como produz o pelo modo de trocar os seus produtos. De conformidade com isso, as causas profundas de todas as transformações sociais e de todas as revoluções políticas não devem ser procuradas nas cabeças dos homens nem na idéia que eles façam da verdade eterna ou da eterna justiça, mas nas transformações operadas no modo de produção e de troca; devem ser procuradas não na filosofia, mas na economia da época de que se trata. Quando nasce nos homens a consciência de que as instituições sociais vigentes são irracionais e injustas, de que a razão se converteu em insensatez e a bênção em praga (7), isso não é mais que um indício de que nos métodos de produção e nas formas de distribuição produziram-se silenciosamente transformações com as quais já não concorda a ordem social, talhada segundo o padrão de condições econômicas anteriores. E assim já está dito que nas novas relações de produção têm forçosamente que conter-se - mais ou menos desenvolvidos - os meios necessários para pôr termo aos males descobertos. E esses meios não devem ser tirados da cabeça de ninguém, mas a cabeça é que tem de descobrí-los nos fatos materiais da produção, tal e qual a realidade os oferece."

As citações são da edição centauro, de 2005.

Agora, vou reler O sálario, preço e lucro. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário