Follow by Email

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

A hipocrisia da imprensa e o mau trato de animais



Eu tenho pena dos cachorrinhos. Acho que as crueldades feitas contras os animais nos últimos meses devem ser punidas. Bater neles ou enterrá-los vivos são coisas realmente desumanas. Não acho que por isso devemos entrar em uma onda de condenação do ser humano, mas não aprovo esse tipo de crueldade.

Também não vou deixar de comer carne, devido a isso. Gosto muito de carne, ainda mais acompanhada de vinho.

Agora, o interessante disso tudo é a impressa. Todo o dia cedendo espaço sobre essas crueldades, seja para relatar como o cachorro foi morto, o que acontecerá com a pessoa e o que virá depois.

Eu realmente fico com pena dos cachorrinhos, por isso. Mais pena eu tenho dos brasileiros que sofrem com o trabalho escravo. Recentemente vi, em alguns blogs e jornais, de maneira muito tímida, matérias sobre os 52 empregadores de mão de obra escrava, incluídos na lista suja do governo. A denúncia relata que com esse novo relatório a lista chega a 294 nomes.

Não me impressiona a maneira tímida que o fato foi noticiado. Afinal, noticiar de maneira excessiva os maus tratos contra os cachorrinhos não agride ninguém e sensibiliza todos. É uma noticia sem classe social. A senhora da elite burguesa ficará tão chocada, quanto à estudante universitária ou a dona de casa. Todos se uniram junto à imprensa burguesa para que se faça justiça.

Agora, pensem bem! Quem vai querer lutar contra o trabalho escravo e fazer uma campanha, que nem uma classe defende. Sim, pois o escravo é uma propriedade de um senhor, ou seja, nossa luta contra o trabalho escravo será pelo direito de essas pessoas serem reconhecidos como seres humanos.

Hoje, seis de janeiro, foi noticiado o assassinato de uma criança indígena. Quem quer saber disso? Quando os pobres cachorrinhos sofrem com o mau trato. Foi só alguns madeireiros que tocaram fogo em uma criança indígena!

Sabem, existe um tipo que sinto mais pena que o índio e o escravo, é o jornalista! Sim aquele coitado, que ganha mal e que trabalha de domingo a domingo e que ainda acha que vai mudar o mundo falando de cachorrinhos.

Novamente ressalto que a crueldade contra os animais é um absurdo e deve ser punida. Agora a imprensa burguesa trata esse problema de maneira absurda! Parece que o mundo vai acabar!

Existe uma escolha política dessa imprensa em não lutar pela transformação social, mas em manter a sociedade da maneira que se encontra. Por isso, se escolhe sobre o que se da mais ênfase. Fala um dia do escravo, outro do índio e o ano inteiro no rádio, na TV e no jornal impresso dos pobres cachorrinhos.

Demasiada informação faz muito mau e coloca em risco o sistema que sustenta esses jornais. O Wikileaks, que junto com a crise financeira ajudou a desencadear as revoltas no mundo árabe é um mau exemplo! Eles não querem uma primavera árabe no Brasil. Então, falamos dos cachorrinhos e não estragamos o dia de ninguém falando da exploração do homem pelo homem.

João Diego estudante de jornalismo

Um comentário: