Follow by Email

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Estudantes protestam contra o aumento das passagens de ônibus em Joinville

A partir de segunda, o bilhete comprado antecipadamente sobe de R$ 2,05 para R$ 2,30 A manhã desta sexta-feira foi de protesto para os alunos do Colégio Estadual Presidente Médici no bairro Boa Vista, em Joinville. Os estudantes fizeram uma caminhada pela rua Prefeito Helmuth Fallgatter em direção ao terminal de ônibus da Tupy contra o aumento das passagens do transporte coletivo. O aumento de 12,2% foi autorizado na última terça-feira pelo prefeito Carlito Merss (PT). A partir da próxima segunda-feira, o bilhete comprado antecipadamente sobe de R$ 2,05 para R$ 2,30 e a passagem vendida no ônibus passa de R$ 2,50 para R$ 2,70. A manifestação foi liderada por membros do Grêmio Estudantil e contou com cerca de 500 estudantes. Eles carregaram faixas e cartazes com mensagens de protesto contra o aumento. Os alunos também pediram passe livre para os estudantes. Na próxima segunda-feira, alunos do Colégio Estadual Presidente Médici e estudantes de outras escolas joinvilenses devem se reunir no Centro da cidade para uma manifestação conjunta contra o aumento das passagens. Mais manifestações pipocam pela cidade Ainda na manhã desta sexta-feira, outra manifestação aconteceu em frente ao Colégio Estadual Paulo de Medeiros, no Adhemar Garcia. Ali, um grupo de pouco mais de 20 estudantes, com gritos de ordem convocaram os alunos que estavam nas salas para comparecerem ao ato programado para a próxima segunda feira em frente à prefeitura. A estudante Mayara Inês Colzani, de 16 anos, apesar da aparência franzina era quem comandava o grupo. Ela conta que faz parte do movimento estudantil desde os 13 anos e agora é a presidente do Grêmio Estudantil do colégio. Mayara argumenta que “os pais pagam bancam os custos dos filhos e isso não é justo com eles. Com isso, outros estudantes trabalham para pagar seu transporte”. Apesar da movimentação, a diretora do colégio não liberou a saída dos alunos e criticou o movimento. “Não é um grêmio atuante. E agora querem se manifestar.” Ela não descartou a possibilidade de chamar a polícia, caso estudantes menores de idade pulem o portão para se juntar aos manifestantes. A estudante Mayara rebateu as críticas: “Esta é uma demonstração de atuação do nosso grêmio. Os alunos precisam de nós!” finaliza. Moradora das imediações da escola, dona Maria Conceição de Oliveira acompanhava a movimentação dos estudantes e opinou que eles estão certos. “Têm que se manifestar. Meus filhos também pagam ônibus e se não fizerem nada o que vai ser de nós?”. Postado por Redação Gazeta de Joinville Fonte: http://www.clicrbs.com.br/anoticia/jsp/default.jsp?uf=2&local=18§ion=Geral&newsID=a2511289.xml

Nenhum comentário:

Postar um comentário