Follow by Email

quarta-feira, 20 de maio de 2009

O Sindicato dos Estudantes

Grêmio estudantil organiza-se como sindicato de estudante

“Quem organiza essa manifestação é o sindicato dos estudantes: o grêmio estudantil do Médici.”, Foi às palavras de Johannes Halter, 17 anos, presidente do Grêmio estudantil do colégio Presidente Médici, ao iniciar a paralisação de sua escola. Suas palavras expressam o que pretende o grêmio estudantil, no qual participa.

Como verdadeiros sindicalistas, fazem piquete na porta da escola, organizam formação com os estudantes e tem como objetivo principal desenvolver a “consciência de classe” dos estudantes. Como diz Iago Paqui, vice-presidente do grêmio estudantil: “precisamos mostrar para cada estudante, que a maioria que estuda em escola pública é filho de trabalhador. Operários. Que o capitalismo lhe tira o direito a uma vida digna e a um futuro. Não lhe concedendo o direito a educação e ao lazer.”

Para eles esse é o papel do grêmio estudantil. Organizar a luta dos estudantes por suas reivindicações seja pela: escola pública, pelo passe-livre e pelo socialismo. O capitalismo esgotou todas as possibilidades de um futuro para a juventude. E o socialismo é: a sociedade, em que os meios de produção- fábricas e terras- estarão a serviço de todos, não de uma minoria que suga o sangue dos trabalhadores para sustentar seus privilégios – explica Halter.

 No dia 15, 18 e 19 o grêmio estudantil do Médici esteve sempre presente nas manifestações.

 Um Pouco do Histórico

Em 1948, foi fundada UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), fruto da luta do movimento secundarista que já vinha organizando-se desde década de 30. No estado de São Paulo e do Rio de Janeiro os estudantes organizavam a luta pela meia-passagem e pela meia-entrada. Nesses estados formaram-se entidades municipais e estaduais dos secundaristas, a partir dos grêmios estudantis. Desde então, o movimento secundarista tem mostrado uma grande disposição para a luta. Na década de 50, o movimento secundarista fez manifestações contra o envio de tropas à Coréia. Também participou do combate a ditadura militar e do fora Collor. Nos últimos tempos, seu papel tem sido muito importante nas lutas associadas ao transporte. Por todo o país, os secundaristas são os que mais têm participação nas mobilizações.

Nossa Época

 Hoje, as ONGs, Diretoras de escola orientadas pelos governos e a Mídia tem uma concepção diferentes dos estudantes do Médici que seguem a tradição revolucionária dos secundaristas. Eles ajudam os estudantes a formarem grêmios para organizarem Rifas, pintarem a escola, dar aulas de reforço – ou até aulas no lugar de professores! Os grêmios organizados dessa forma pelas ONGs e pelas diretoras não organizam os estudantes para combater a raiz dos problemas, que é a falta de verbas.

Em nenhuma escola com esse perfil de grêmio estudantil é feito o debate, que no tempo atual, por exemplo, o governo está retirando milhões dos cofres públicos para dar aos bancos, enquanto a educação pública cai aos pedaços. Isso seria um importante debate. Afinal, precisamos discutir com os estudantes. Por que pagar a rifa e fazer todas aquelas campanhas de arrecadação de fundos para a escola, se nós pagamos impostos? Poderíamos fazer um ato na frente da Secretária da Educação, exigindo verbas, por que não?

Aí temos um problema, um grande! Que é o fato de a diretora estar na escola a mando do governo e as ONGs receberem dinheiro dos governos. Eles não podem entrar em choque com seus patrões. Logo não podem organizar Grêmios de luta. Um Sindicato ou uma ONG? O grêmio estudantil do Presidente Médici tem demonstrado qual é o verdadeiro papel de um grêmio estudantil. Conscientizar os estudantes para a luta pelos seus direitos e por uma sociedade socialista. Devemos desenvolver esse debate em todas as escolas que participaram dos atos contra o aumento da passagem. A luta ganhará cada vez mais força quando todos os estudantes secundaristas de Joinville estiverem com seus grêmios organizados, como os seus instrumentos de organização da luta pelo passe-livre e pelo socialismo!

VIVA OS ESTUDANTES DO MÉDICI E SEU GRÊMIO: O SINDICATO DOS ESTUDANTES!

5 comentários:

  1. apesar do ar jornalístico, o texto está bom...estudantes são maioria, sempre, e quando querem mesmo, conseguem.
    Abraço, Ana Hemb - Blog do Che
    Firmes e fortes até barrar o aumento! \o

    ResponderExcluir
  2. O texto está otimo!

    A hora de aumentar a força dos estudantes para a luta de seus direitos é essa, a união faz a força, com todos os estudantes juntos conseguiremos mostrar que não vai ser dessa vez que quem vence é quem está do lado de cima!
    Juntos até o fim, contra o aumento!
    abraço forte.

    ResponderExcluir
  3. A matéria está muito interessante, e por certo lado abre nossos olhos com relação ao sistema que estamos tão acostumados, por um lado adaptados, por ter a falsa impressão que não somos capazes de converter a sociedade em que vivemos, aí é que nos enganamos e que temos que nos unir, conscientizar a todos, que sim, somos capazes de vencer, mas pra isso temos que nos unir, criar forças e lutar pelos nossos direitos ... Só unidos venceremos...
    Daani *--*

    ResponderExcluir
  4. Nossa,o texto tá mto bom mesmo, e o importante é que fala bastante sobre o próprio gremio estudantil que é para outros que ainda nao participam ver como funciona e o que eles buscam, qual o pensamento deles mesmos em relação aos direitos dos estudantes, mto legal..
    Ana*

    ResponderExcluir